7 motivos para se ter orgulho da cultura potiguar em 2019

Esta que vos escreve não é potiguar de nascença, mas não há estado neste país de cuja cultura tenha mais orgulho. Acostumamo-nos, lamentavelmente, ao anti-bairrismo, em que desenvolvemos o hábito de supervalorizar o que está distante e subvalorizar o que temos a fácil alcance. Digo e repito: quando o potiguar perceber, de fato, a raridade artística que cultivamos por essas terras, seremos uma das maiores potências culturais do país, pois talento e grandes feitos não faltam por aqui.

Por essa razão, e como contribuição ao encorajamento dessa autoestima que por vezes cambaleia, trago aqui fatos que nos ajudam a perceber preciosidades que temos pelas terras de Poti. Certamente, não será uma lista justa, visto que é provável que muito fique de fora, portanto, peço a gentileza de que, caso você, leitor, sinta orgulho da cultura potiguar em 2019 por mais outro feito, comente nesta postagem a fim de repercutir muito mais sobre nossos artistas.

Espetáculo “A Invenção do Nordeste” premiado e reverenciado em todo país

Há meses tento conseguir uma cadeira para assistir ao espetáculo “A Invenção do Nordeste”, obra do meu grupo de teatro natalense favorito, o Carmin. Apesar das tentativas frustradas, fico extremamente feliz pela razão que a causa. Acontece que esse espetáculo, do mesmo grupo que já fez apresentações (nas quais estive presente) para poucas pessoas, venceu o prêmio Shell de Teatro de melhor dramaturgia, além do Prêmio Cesgranrio de melhor espetáculo, no início do ano. O espetáculo percorreu muitas cidades do Brasil durante esse ano e tem sido bem aceito pela crítica e pelo público. Vale mencionar que a montagem tem direção de Quitéria Kelly (falaremos um pouco mais sobre ela em breve), e esse protagonismo feminino na cena teatral é um motivo de orgulho a parte. Em matéria do G1, a danada da Quitéria disse o seguinte:

“Nossa montagem custou R$ 30 mil e foi paga com recursos próprios, com dinheiro de Jacy (espetáculo anterior do Grupo Carmin), e isso é muito significativo. Esse prêmio vem pra mostrar que o Nordeste tem muito a nos ensinar, que existe uma geração que veio para tirar o Nordeste desse lugar de coitadismo, pra mostrar que a gente também está fazendo coisa boa, coisa moderna e entrando em mercados muito concorridos”

Rainha, né? Bravo, Carmin! Muita “merda” para vocês em 2020!

Potiguar Airton Bruno vence concurso internacional de arte

O artista plástico potiguar Airton Bruno, de 25 anos, foi o grande vencedor do prêmio principal do 2019 ARTDEX Art Competition. A obra premiada chama-se “Abraço solitário”. O júri foi composto por importantes nomes do cenário artístico mundial, diretores, professores e artistas de grandes institutos e escolas de arte. Com o reconhecimento, o Airton faturou o prêmio de $ 1.000. Arraso!

Confira a obra Abraço solitário, vencedora do prêmio:

Curtas potiguares brilham mundo afora

Não é de hoje que os curtas potiguares ganham destaque em premiações nacionais e internacionais, e este ano os feitos continuaram em proporções ainda maiores. Para citar dois destaques do ano: o documentário curta potiguar “A Parteira”, de Catarina Doolan, foi vencedor de nada menos que 18 (DEZOITO) prêmios, em vários estados (DF, RN, PE, PB, GO…). O filme tem mais um ano de circulação e promete mais prêmios para 2020.

Outro doc que fez sucesso foi o também curta “O grande amor de um lobo”, realizado em São Miguel do Gostoso, que levou o prêmio de Reconhecimento Especial no 12º Los Angeles Brazilian Film Festival (EUA). O filme é dirigido por Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa, e faz parte do Coletivo Nós do Audiovisual.

Filme gravado no RN ganha prêmios internacionais e é sucesso de crítica

bacurau filme

“Bacurau” não é dirigido por potiguares, ou traz elenco potiguar em destaque em sua narrativa, mas pode ser considerado um filme potiguar, visto que foi gravado aqui, no interior de Parelhas, e traz, além da locação, um pouco do sotaque potiguar em seu roteiro. O filme se tornou um símbolo de resistência e do bom cinema nacional. Aclamado com muitas críticas positivas, a obra de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles venceu o prêmio de melhor filme no 37° Festival de Cinema de Munique (Filmfest München), na principal Mostra, a CineMasters Competition, além do Prêmio do Júri no Festival de Cannes, onde estreou.

Khrystal em temporada nacional no musical Elza

E teve voz potiguar em uma das montagens mais badaladas do ano! Depois de encantar a todos com a sua performance de “A Carne”, no programa The Voice, a cantora Khrystal estreou no elenco do musical Elza, em homenagem a Elza Soares, e foi elogiada em peso, até Caetano Veloso se rendeu aos talentos da intérprete. Danada não, a mulesta!

Quitéria Kelly é Neide em Malhação

Atrizes potiguares em ascensão

Se tem uma coisa que me dá orgulho multiplicado é ver atrizes potiguares escalando cada vez mais longe. Apenas para citar alguns feitos dos ano: a atriz Quitéria Kelly integra o elenco fixo desta temporada de Malhação, programa da TV Globo; a atriz Alice Carvalho (de SEPTO) também participou, ao lado de Debora Bloch e grande elenco, da série Segunda Chamada, considerada uma das melhores produções globais deste ano pela crítica; Priscilla Vilela embarcou para Manaus, para protagonizar, ao lado de Irandhir Santos, o longa amazonense “Enquanto o Céu não me Espera”. Go, girls!

Literatura potiguar reverbera cada vez mais

Não é de hoje que a literatura potiguar obtém destaque nacional e internacional. São daqui grandes nomes vencedores de prêmios da literatura contemporânea. Este ano, o mossoroense Gustavo Linhares foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura na categoria “Melhor Romance de Ficção de Estreia do Ano de 2018”, com o livro “O infeliz das costa oca”, lançado pela Editora Patuá. Já o potiguar José Maria da Silva Nascimento, nascido em São Gonçalo do Amarante e autor do livro de contos “Cidade de Cinzas”, recebeu uma menção honrosa na 4ª edição do prêmio UCCLA de Literatura, cujo júri foi composto por nomes consagrados da literatura de vários países de língua portuguesa.