A felicidade não se compra

Dirigido por Frank Capra em 1946, com todo o charme do cinema preto e branco, “It’s a wonderful life” (A Felicidade Não Se Compra, em português) sobrevive e sua mensagem fica mais forte a cada geração, um filme que cai do céu, assim como Clarence.

Por ser um drama, espera-se que arranque lágrimas e mais lágrimas, mas é impossível não rir de algumas cenas, e acho que essa é a genialidade do filme: falar sobre um tema complexo e íntimo de uma maneira simples e divertida.

O filme fala sobre sonhos, fé e esperança. Muito bobo? Não, muito necessário, principalmente na época destruidora que vivemos. Quando George Bailey (James Stewart) perde a fé nos seus sonhos e decide se matar, o universo faz suas artimanhas e mostra como a vida dele está interligada com tantas outras e como ele faria falta ao mundo, dando um verdadeiro golpe na nossa autoestima.

Depois desse filme, o pensamento de que o mundo não é belo predomina, mas dessa vez, temos certeza de que poderia ser bem pior. Você sabia que toda vez que um sino toca, um anjo acaba de ganhar asas?