A origem da Mulher Morcego no melhor estilo “novela das nove”

Depois de ganhar grande destaque na revista Detective Comics, a Mulher Morcego ganha sua série própria na era Renascimento da DC Comics. O arco se passa depois do evento “A Noite dos Homens Monstros”, arco da revista Detective Comics Renascimento, mas o foco neste encadernado vai ser a origem do triângulo amoroso envolvendo a heroína.

O gibi começa mostrando a tragédia ocorrida com a família de Kate Kane (Batwoman), esse nome foi dado em homenagem ao Batman de Bob Kane, quando ela perde a sua mãe e tem a sua irmã como desaparecida. A história segue anos depois revelando qual foi o motivo do desligamento de Kate da sua carreira militar em West Point – isso aconteceu em razão de sua orientação sexual. É isso mesmo, diferente do Homem Morcego, a Batwoman tem sua homossexualidade bem assumida.

O clima investigativo da história ocorre devido à tentativa de encontrar a arma biológica espalhada internacionalmente que causa a transformações de homens em monstros, e a Batwoman é muito bem assessorada nessa jornada pela Julia Pennyworth, filha do mordomo Alfred.

O enredo de espionagem acaba sendo muito bem trabalhado juntamente com o romance envolvendo Tahani (Os muitos Braços da Morte), Kate e Safiyah, apesar dos roteiristas terem exagerado ao colocarem isso como principal causa do problema de ordem mundial na história. O relacionamento conturbado teve início após Safiyah se apaixonar por Kate, quando esta chega acidentalmente à ilha de Coryana, fazendo com que Tahani, insatisfeita com a traição de Safiyah, busque vingança tentando acabar com o sossego da ilha.

Mesmo a revista não tendo a mesma pegada de ação da linha dos quadrinhos do Batman, apesar de ter como roteirista James Tynion IV (que trabalha em outros títulos do Homem Morcego), o encadernado ganha destaque tanto pela bela história de origem trazida pela dupla Tynion IV e Marguerite Bennett, que foi muito bem representada na arte final de Stephanie Hans, e o grande trabalho de coloração de Jeromy Cox. Custando R$24,90, o encadernado que compila as edições (Batwoman: Rebirth, Batwoman 1-6) conta com 164 paginas em LWC e capa em papel cartão e com a lombada quadrada. A HQ chegou às bancas aqui no país pela editora Panini no finalzinho de janeiro deste ano.