Numa noite brincalhona de terça feira surge o primeiro post. Esse é sobre um curta brasileiro, dirigido por Daniel Ribeiro, diretor de vários curtas com várias premiações.

Eu não quero voltar sozinho fala sobre a vida de Leonardo, um jovem cego que, ao perceber a chegada de um novo aluno na sua escola, Gabriel, o amor também chega e sua rotina muda por completo. Além de lidar com essa nova experiência, Leonardo precisa aprender a lidar com os ciúmes de Giovanna, sua amiga desde então.

O que prendeu minha atenção do começo ao fim foram os personagens e a história. Nunca tinha assistido algo parecido, e ao meu ver, coisas fora do “comum” tendem a ser bizarras, mas esse curta me cativou do começo ao fim por sua história simples, sentimentos sinceros e inocentes, ao mesmo tempo em que passava uma forte mensagem de cunho social. Uma pessoa não é menos humana por ser cega. Vai chorar, vai se enraivecer, vai rir, gritar, amar (seja lá quem for) igual a pessoas não deficientes. E o fato de Leonardo se apaixonar por Gabriel, e não por Giovanna, como de costume nos filmes românticos, só reforça esse lado social do curta, pois mostrou sob um ponto de vista muito rejeitado pela nossa sociedade: o dos gays.

Na minha opinião, é um curta simples e forte, mais do que merecedor dos prêmios recebidos.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Daniel_Ribeiro

Sobre o(a) autor(a)

Avatar

Estudante de Enfermagem que se mete em letras, músicas e desenhos. Segue a filosofia de que a vida é muito curta para gastá-la com preocupações. Dificilmente algo conseguirá surpreendê-la. Lê tudo, assiste tudo, vê o lado bom de tudo. É editora deste site.

Postagens relacionadas

3 Responses

Deixe um comentário

Your email address will not be published.