Livros e HQ’s: ‘Bolachas’ de gibis, tente parar de ler

 Cada pessoa desenvolve habilidades diversas no decorrer do tempo, cada um obtém conhecimento, diversão e informação a sua maneira, seja ela qual for. Estamos na era da informação, o que significa que ter um filme, música ou livro tornou-se muito mais fácil. Para que se tenha alguma ideia, já estamos num caminho adverso, onde nos perguntamos o porquê de levarmos os nossos livros para a faculdade, quando podemos ter tudo dentro de um tablet. Não é muito mais simples, caro leitor?

Mas como diria a nova máxima: “Só que não”. Exatamente. Só que não. Existem pessoas, como eu, que ainda preferem o bom e velho livro, isso, aquele que se virá página a página, se sente o toque no papel, o cheiro de novo. Bons tempos que passávamos horas em cima de um livro para procurar alguma informação para o trabalho de História ou Geografia.

         

Uma porção de histórias está disponível mundo a fora, de várias formas, como filme, teatro, música, livros e gibis. Os gibis são a onda da molecada, e de alguns marmanjos, como eu. Os anos passaram desde que eu ganhei o meu primeiro gibi, lembro-me bem, foi numa promoção de supermercado, ganhei dois da Turma da Mônica, um com a capa da Mônica e outra com a capa do Cascão.

Qualidade também é nacional. Essas histórias nasceram em 1959, portanto, possuem 54 anos. Não é brinquedo não. Levar diversão, entretenimento e o riso durante tanto tempo é uma tarefa árdua e intensa, mas que deu certo para Maurício de Sousa, tanto que vemos diversas ramificações, parque da turma da Mônica, produtos de higiene para crianças, alimentos e tantos outros com uma marca tão forte.

Recentemente estava na banca de jornal, sempre olhando as novidades, revistas, jornais e etc. A divisão de HQs, mangás e gibis sempre são uma das minhas pedidas e passei aquele olhar curioso, para encontrar algo que me fosse agradável, e me deparo com alguns “bolachas”, em outras palavras, seria um compacto, uma edição com 500 página contendo história do Mickey. Lá se vão dezesseis reais da conta.

A brilhante ideia da editora Abril deu muito certo, porque o grande problema dos gibis, para quem gosta de mangás e HQs, é a continuidade das histórias e o tamanho delas. O gibi é uma leitura fácil e rápida, nada mais que alguns minutos, talvez uma hora, são necessários para ler toda a revista, porém com o lançamento dessas “pequenas” coletâneas, a Abril teve essa versatilidade, nada de acabar rápido. Afinal de contas são 500 páginas.

Diversão garantida, é isso que encontramos nestas páginas, uma brincadeira da Abril em trazer sequência de histórias sobre assuntos diversos, como no caso do Jumbo, desde aventuras no espaço a uma grande batalha mágica, como a Disney sabe muito bem fazer. Trazendo aos seus leitores um material rico em qualidade e quantidade. A qualidade nunca foi problema para as histórias da Disney, agora a quantidade fica ao par. Cada virada de página, uma história melhor que a outra, sem contar nas coleções de história, é para não parar de virar.

É só correr na banca para diversão na certa! Olha só, já garanti alguns para mim, mas estes são meus.