Eis que retorno para vos falar sobre o segundo dia do festival, que será esse sábado dia 9. Nas próximas linhas, mais uma vez você verá uma breve apresentação das 21 bandas que vão tocar, para ter uma noção do que vai rolar nessa maratona musical, tendo direito a reggae, música experimental e muito, mas muito rock. Simbora!

foto_press_single_parents-agambiarra

Os paulistas da banda “Single Parents” se apresentam no sábado do Festival Dosol

15h30 – Zurdo:  Num sol desumano, o dia começa com música da nossa terra! O Zurdo é um projeto experimental que mistura gêneros musicais, guitarras cadenciadas, sintetizações criativas e uma voz que nem sempre está cantando. Quem criou foi o guitarrista Henrique Geladeira, que também atua no Talma&Gadelha, e o primeiro trabalho da banda também é experimental, pois ao invés de lançar um EP comum, o fez em forma de vídeo, acarretando um resultado muito interessante:

16h – Ar, Tu e o Vendaval: Outra banda tomada pelo experimentalismo, esse potiguar lançou seu último trabalho ainda esse ano, em forma de single e em parceira com o escritor e poeta Diógenes da Cunha Lima. O multi-instrumentista é ousado e mistura sem dó folk com maracatu, pop, blues, reggae e rock, tudo isso acompanhado de uma ótima voz. Confira “Gente Decente”, música novinha:

16h30 – Rollercoaster: A banda de Santa Cruz, RN,  estará nos palcos do Festival Dosol gritando seu alternativo e indie rock, um som enérgico e parecido com o que costumamos ouvir do gênero, sem muitas surpresas. Eles lançaram seu EP ontem mesmo, dia 7, mas vão parar suas atividades por um tempo indefinido. Então tá, né. Aqui está Family & Friends, um vídeo que mostra bem como eles são ao vivo:

Rocca Vegas é umas das atrações da noite do sábado

Os cearenses Rocca Vegas são umas das atrações da noite do sábado

17h – Rocca Vegas: Vindos do Ceará, é aquele som que mistura rock com pop e elementos eletrônicos, contrastados com uma voz sóbria. Um rock alegre e dançante que não me deixa alegre nem me faz dançar, não porque eles são ruins, mas sim porque esse tipo de música realmente não me agrada, e isso é só uma opinião pessoal. Sem mais, confiram “O Espelho”:

17h30 – Lupe de Lupe: Com letras incômodas e sinceras, são músicos de Belo Horizonte, que também são vocais e cantam suas composições, fazendo um som melancólico em sua maioria, com guitarras pulsadas, densas e bateria frenética, gerando um resultado intenso, muito intenso. O repertório deles acaba de ser renovado com seu mais novo trabalho, o EP “Distância”. Gritando inconformismo, confira uma das músicas mais populares deles, “Há algo de podre no reino de Minas Gerais”, que certamente será um dos pontos altos do seu show:

18h – Single Parents: Veio de São Paulo e lembra Sonic Youth, o que já é um ponto positivo pra banda, na minha opinião. É um som pós-punk, grunge e alternativo, que nos leva à Nova York dos anos 80 e 90, uma coisa linda de se ouvir. Esse é o clipe de “Ecstatic Pleasures”, que fala sobre o efeito do LSD nas pessoas, possuindo relatos dos usuários e efeitos que tendem a imitar as alucinações do LSD, intercalados com a canção. Aqui está:

18h30 – Medialunas: Do outro Rio Grande, com bateria, guitarra e só, a dupla também é um casal e apostam em guitarras distorcidas, bateria bem marcada e canções em várias línguas, trazendo em seu som referências de grunge, rock alternativo e indie. Um mês atrás, eles gravaram o single “Esse cara”, que lhes conferiu o primeiro lugar no Top 10 do Trama Virtual:

Cassino Supernova (DF)

Cassino Supernova (DF)

19h – Cassino Supernova: Do Distrito Federal para a Cidade do Sol pela primeira vez, eles trazem aquele gingado dançante, enérgico e quente dos anos 60 e seus inferninhos, mas trazendo um toque contemporâneo e uma pitadinha de blues e country. Estão em turnê com o seu primeiro e único disco, “Na Estrada”. Confira seu primeiro clipe, da música “Cinco”:

Uma das atrações internacionais do festival, Petit Mort, da Argentina

Uma das atrações internacionais do festival, Petit Mort, da Argentina

19h30 – Petit Mort: Esse é um power trio argentino de vocal feminino, tocando uma mistura de grunge, stoner e metal, não negando as influências de bandas como Pearl Jam, Rase Against the Machine e Incubbus, com baterias aceleradas e elaboradas, guitarras sujas, o que (pelo menos a mim) empolgou muito. A vocalista tem uma voz doce, o que causa certa estranheza, mas depois a gente acaba gostando. Vamos ver como vai ser ao vivo. Veja “Bugs”, uma de suas melhores faixas:

20h – Alf: Esse é um rapaz com um vasto currículo, tendo trabalhado com Câmbio Negro e Raimundos, além de ter participado do Rock in Rio 2001. Fortemente envolvido com a cena musical independente de Brasília, ele também é um dos fundadores do Porão do Rock e agora está focado no seu trabalho solo. Confira o clipe de “O sol saiu”:

20h30 –The Sinks: Depois de um longo período sem dar as caras, o trio potiguar retorna repaginado e com um novo álbum, que se chama “Sinksmania”. Dessa vez eles estão com um som leve, alegre e revelando uma leve influência do soul em seus arranjos. A maioria de suas músicas abordam temas românticos, e dessa vez eles também estão cantando em português, mais uma novidade trazida pelo retorno. Confira “Minha voz”, música música novinha em folha:

21h – Hellbenders: Veio pra mostrar que Goiânia não é só Gusttavo Lima (e você!), engrossando as fileiras de bandas stoner do festival. Lembrando Mastodon e Motorhead, os caras são muito bons no que fazem, e lançaram seu primeiro trabalho recentemente, o “Brand New Fear”. Confira uma de suas músicas:

Far From Alaska (RN)

Far From Alaska (RN)

21h30 – Far From Alaska: Atualmente o quinteto potiguar está vivendo ótimos momentos. Semana passada anunciaram que entrarão em estúdio para a gravação de seu primeiro disco, além de a banda ter sido divulgada e elogiada por Shirley Manson, do Garbage. Com a moral lá em cima, eles vão mostrar um rock alternativo sem amarras, de qualidade e enérgico, uma lindeza só. Confira o clipe de Dino vs. Dino:

22h – Autoramas: Imagine punk com jovem guarda, surf music e new wave, tudo misturado, e vocês terão o “rock para dançar”, segundo a banda. É um trio carioca que inclusive, já se apresentou no festival, mas pretendem divulgar seu mais novo trabalho, “Música Crocante”. Confira o clipe de uma de suas mais recentes canções, “Abstrai”:

22h30 – Uh La La!:  Semelhantes ao ritmo de Autoramas, Uh La La!  é uma banda paranaense que consegue ser ainda mais divertido e dançante, com aquele humor leve dos anos 80. É pra dançar ridículo e não se importar, principalmente se a música for essa:

23h – Fukai: Outra potiguar já veterana no festival, Fukai passa uma energia muito boa e leve, bem tropical, misturando universos do soul, country, rock clássico, e elementos do psicodelismo, além de apostarem em várias línguas para compor suas músicas. Quem não conhece a banda pode se preparar para uma surpresa a cada canção. Essa é “Zion”:

23h30 – Carcará na Viagem: Em meio a uma dose cavalar de rock em suas várias vertentes, corajosamente aparece o rap, hip hop e coco, trazendo uma mistura de ritmos regionais com internacionais, graças a Carcará na Viagem, que venceu o Prêmio Hangar de Música de 2013 na categoria de hip hop. No IV MPBeco, ele também se apresentou:

24h – Rastafeeling: Quero saber que natalense em sã consciência não ouviu falar do Rastafeeling. Tocam reggae e só, não misturam com mais alguma coisa, então todo mundo que vai ao show, já vai sabendo se vai odiar ou amar, mas estão sempre em atividade pelas redondezas. “Filho de Jah” é uma de suas músicas mais esperadas:

24h50 – Digital Dubs: São cariocas e movimentaram a cultura sound system no Brasil, acompanhando a vibe calma do Rastafeeling, eles trazem uma mistura de reggae e hip hop garboso que já rodou o mundo inteiro. Confira a parceria com YT no clipe de “Sound System Culture”:

Os cretinos do Dusouto encerram a noite

Os cretinos do Dusouto encerram a noite

01h30 – Dusouto: Outro grupo potiguar que já tocou e continua tocando em cada buraco natalense, com o mesmo repertório de dois anos atrás e ainda assim continuam em alta com a mistura de beat, samba, funk, reggae e letras descaradas. Vicia mais que crack, cuidado. Aqui está o maior sucesso deles, “Cretino”:

3 Responses

  1. Avatar
    Leila Melo

    Aninha, se garantiu muito na postagem! Quero ver essa cobertura supimpa, nega! Parabéns! 😉

    Responder
  2. Avatar
    Matheus Geres

    Ana arrasou! Ficou massa.
    Gostei muito das bandas: Alf, Hellbenders, Far From Alaska, Autoramas, Fukai e DuSouto.

    Responder

Deixe um comentário

Your email address will not be published.