Opinião Formada: The Rainmaker e uma lição aos advogados, não cruzem a linha!

Filmes pra mim são uma grande diversão, eu costumo assistir-lhes pra me divertir (ou pelo menos tentar). Vez ou outra, no entanto, acabo me surpreendendo também. Alguns poucos filmes acabam sendo mais do que diversão, e terminam por ensinar alguma coisa. E quando eu digo poucos, eu falo de poucos mesmo.

Até ontem eram dois: The Bucket List (Antes de Partir, no Brasil) e Into the Wild (Na Natureza Selvagem, no Brasil). Mais um filme entrou pra essa minha lista pessoal seleta. The Rainmaker (O Homem que Fazia Chover, no Brasil) é inspirador em vários sentidos. Coppola foi genial na adaptação do romance de John Grisham.

AVEC MATT DAMON

O filme basicamente fala do primeiro caso de um jovem que acaba de concluir a faculdade de Direito e passar no “BAR Examination”, uma espécie de Exame de Ordem nos Estados Unidos. Rudy Bailor, interpretado por Matt Damon, descobre e percebe ao longo do filme as severas crueldades que existem no mundo jurídico.

Pra quem não sabe, eu sou quase um advogado (risos), ainda preciso passar no Exame de Ordem, mas um dia eu passo (ou não). E por isso o filme foi inspirador. Reforçou muitas das teses que eu já tenho, não só sobre a advocacia, mas sobre o meio jurídico como um todo.

Deck Schifflet, o “sócio” de Rudy interpretado por Danny DeVito, rouba a cena em diversos momentos e é o personagem mais divertido do filme. É ele que mostra como é o mundo jurídico na prática a Rudy, ele faz inclusive questão de enfatizar que “na faculdade não te ensinaram o que precisa saber”. Não vou dar muito spoiler, se não vocês não vão ver o filme.

Claire-Danes-The-Rainmaker-Stills-claire-danes-4617654-1788-1208

Ah! E tem também um Danny Glover muito massa interpretando o juiz Tyrone Kipler, com um sorriso irônico quase o tempo todo e que em vários momentos fica sem saber o que fazer com a inexperiência de Rudy no tribunal.

É isso! Recomendo demais, principalmente pra quem é dessa área jurídica tão pouco humana e demasiadamente tecnicista. Lembrem-se que processos não são só leis, códigos e honorários, são pessoas e seus direitos em jogo. Não cruzem a linha, por favor!