Religião e Schindler

Hoje, me encontrei intrigado sobre muitos assuntos relacionados à religião. Primeiro foi pela manhã quando uma amiga minha conversou longamente sobre bioética de células tronco e hoje à noite li um e-mail resposta inspirador que Ana Clara enviou por causa de críticas infundadas a religiões e grupos a essas relacionados. Então, postarei sobre religião, especialmente a religião judáica relacionado ao filme: A lista de Schindler.

O filme é um drama dirigido pelo cineasta Steven Spielberg, mais conhecido (pelo menos por mim) por filmes de ficção científica, como Jurassic Park e AI, inteligência artificial. A história começa no inicio da segunda guerra mundial quando o exercito alemão invade a polônia e os poloneses são transferidos para guetos. Schindler, vendo uma oportunidade de fazer lucro, contratou um contador renomado polonês e empregados poloneses por serem mais baratos e produzirem mais.

Aos poucos, Schindler transformou sua fabrica em uma indústria muito lucrativa por produzir em massa capacetes, e estes serem indispensáveis na guerra. Com o tempo acaba conhecendo os empregados e compadecendo-se da situação deles.

O filme mostra cenas fortes de como relamente era ser um polonês ou judeu na Alemanha durante a segunda guerra mundial. Chocando com muitas cenas de tiros dados à queima roupa e tortura, mostrando muito cruamente a verdade daquela época.

 


No fim, Schindler acaba usando todos os seus bens para salvar cerca de 1200 judeus levando-os para fora da zona de guerra no pretexto de trabalhar na sua indústria.


Concluíndo, o filme mostra uma lição de moral, não só por mostrar que as pessoas podem salvar umas às outras, mas também mostrando do que realmente somos capazes de fazer com outros seres humanos por meio da discriminação, seja religiosa, seja racial, seja por meio do bulling ou do sexismo, da xenofobia e todos os tipos de preconceito.


Esse é um dos filmes que realmente me tocaram durante minha vida. É um clássico obrigatório!