A Década no Oscar – Parte I: O que é preciso para ganhar melhor direção?

Chegamos ao final de mais um Oscar com a vitória histórica de Parasita, chegamos também ao final de uma década de Oscar, e creio que seja hora de revisitar o passado. Vou iniciar uma série de textos analisando a premiação de 2011 a 2020, sendo que o foco será na categoria de Melhor Direção. Nesse primeiro texto irei relacionar os vencedores de direção com as demais categorias. Vamos ao números desses 10 filmes: O Discurso do Rei, O Artista, As Aventuras de Pi, Gravidade, Birdman, O Regresso, La La Land, A Forma da Água, Roma e Parasita.

parasita
Parasita foi vencedor dos prêmios de melhor filme, melhor direção, melhor roteiro e melhor filme estrangeiro no Oscar 2020

Os Oscars de melhor direção e fotografia estão intimamente ligados. Nesta última década apenas Parasita venceu em direção sem ter sido indicado em fotografia. Sendo que em seis oportunidades o mesmo filme levou ambos os prêmios para casa (As Aventuras de Pi, Gravidade, Birdman, O Regresso, La La Land e Roma). 

Entre os vencedores de fotografia, apenas Blade Runner 2049 e A Origem não tiveram indicação em direção. Sendo que Blade Runner também não foi indicado em melhor filme, isso demonstra como o filme foi injustiçado, é uma obra-prima moderna, terá o seu próprio texto noutra ocasião. 

Relacionando direção com edição, teremos números bem diferentes. Apenas dois vencedores de direção não foram indicados a edição, Birdman e Roma, não tão diferente de fotografia, mas a coisa muda de figura quanto a questão é levar ambos prêmios. Nessa última década, só Gravidade fez a dobradinha de direção e edição. Levando a questão para melhor filme, só Argo levou os dois. Edição está bem fora de sincronia com melhor direção e filme, o que podemos tirar disso? Em um texto futuro…

Chegando em roteiro, apenas dois vencedores em direção não foram indicados em nenhuma das duas categorias, Gravidade e O Regresso, pasmem, são os mesmo diretores de Roma e Birdman que repetiram o feito em edição, respectivamente, Alfonso Cuarón e Alejandro G. Iñárritu. 

Nenhum vencedor de melhor roteiro adaptado também levou a estatueta de direção, em original a situação é um pouco melhor, por três vezes o mesmo filme levou ambos (O Discurso do Rei, Birdman e Parasita). A situação dos roteiristas melhora na categoria de melhor filme, em 8 ocasiões, o vencedor de melhor filme também levou roteiro para casa, sendo 5 em original e 3 em adaptado. 

Voltando à questão visual, direção de arte está no mesmo patamar de fotografia em relação a indicações, apenas Birdman ganhou direção e não foi indicado aqui nesta última década. Mas na questão de ganhar ambos, temos só dois filme a conseguir esse feito, A Forma da Água e La La Land.

Continuando dentro da mise-en-scene, vamos a figurino. Aqui em termos de indicação estamos meio a meio, cinco filmes vencedores em direção foram indicados em figurino (O Discurso do Rei, O Artista, O Regresso, La La Land, A Forma da Água), mas apenas O Artista venceu ambos os prêmios.

A categoria de melhor maquiagem está bem distante dos vencedores de melhor diretor, apenas O Regresso foi indicado e não venceu. Precisamos voltar até 2004 para termos um vencedor em direção indicado, Senhor dos Anéis: O retorno do rei, que venceu a categoria, mas não entra na nossa estatística. 

Em efeitos especiais, apenas três vencedores em direção receberam indicações (As Aventuras de Pi, Gravidade e O Regresso), e somente O Regresso não venceu na categoria, perdeu para Ex Machina, que quebrou o tabu, geralmente quando algum indicado a melhor filme está nessa categoria, ele tende a ganhar. 

Será que um filme precisa ser uma experiência sonora para ganhar direção? Vamos descobrir, primeiro em trilha. A menos que você seja o Iñárritu, ser indicado em trilha ajuda bastante, seis vencedores de direção tiveram indicação aqui, e cinco venceram ambas (O Artista, As Aventuras de Pi, Gravidade, La La Land, A Forma da Água). Destaquei o mexicano pois as suas duas vitória por Birdman e O Regresso não tiveram indicação aqui, o mesmo vale para o outro mexicano, Cuarón e o seu Roma.

Vencer direção e as categorias de som nesta última década parece algo bem difícil, apenas Gravidade conseguiu esse feito, vencendo tanto edição como mixagem. Porém vários outros conseguiram indicações em ambas categorias de som (Roma, A Forma da Água, La La Land, O Regresso, Birdman, As Aventuras de Pi) mas não venceram em nenhuma das duas. O Discurso do Rei foi indicado apenas em mixagem de som, O Artista não teve nenhuma indicação em som, suspeito que seja pelo fato de o filme ser mudo… Então “apenas” Parasite venceu direção sem indicação em nenhuma categoria de som. Então, respondendo a pergunta, é bom realizar uma experiência sonora se quiser ganhar direção. 

Chegamos finalmente as categorias de atuação, e são quatro, espaço para os diretores demonstrarem como trabalham com atores e atrizes. Apenas As Aventuras de Pi e Parasita venceram melhor diretor sem qualquer indicação nas categorias de atuação. Birdman, A Forma da Água e Roma tiveram três indicações cada, mas sem vitórias, Gravidade recebeu uma indicação, mas não venceu. Então, apenas 4 vencedores de direção também conseguiram vencer alguma categoria de atuação. O Discurso do Rei, O Artista e O Regresso venceram em melhor ator, e tiveram indicações nas categorias de coadjuvante. La La Land venceu por melhor atriz, tendo indicação a melhor ator também.

No clima desse ano, na categoria de melhor filme internacional tivemos dois vencedores de melhor direção, Parasita e Roma, sendo de forma consecutiva, será que teremos mais? E por fim, mas não menos importante, a categoria de melhor filme. Todos os vencedores de direção foram indicados a melhor filme, mas apenas a metade conseguiu fazer a dobradinha (O Discurso do Rei, O Artista, Birdman, A Forma da Água e Parasita). 

Em quantidade de Oscars vencidos, Gravidade ocupa a primeira colocação com 7 vitórias (10 indicações), La La Land vem em segundo com 6 oscars, mas em primeiro em número de indicações (14). O Artista venceu 5, então temos vários com 4 vitórias: O Discurso do Rei, As Aventuras de Pi, Birdman, A Forma da Água e Parasita, esse último teve o menor número de indicações (6). O Regresso e Roma tiveram o menor número de Oscars, apenas 3 cada. 

Em resumo, fotografia se provou a categoria mais ligada a direção nessa década, e trilha sonora vem logo em seguida, então faça algo instigante aos olhos e ouvidos. Embora com poucas vitórias, mas muitas indicações, as categoria de som e direção de arte corroboram com essa simples conclusão. É claro que para ter algo visualmente e sonoramente instigante é preciso atores, eles são parte essencial de ambos sentidos, e de qualquer bom filme. 

Abaixo você encontra os números de cada categoria, em negrito a quantidade de vezes que fez a dobradinha vitoriosa de direção e a categoria em questão, depois o número de vezes que o vencedor de direção foi indicado na categoria nessa última década.

  • Fotografia 6/9
  • Filme 5/10 
  • Trilha Sonora 5/6 
  • Atuação 4/8
  • Roteiro 3/8
  • Direção de arte 2/9
  • Efeitos especiais 2/3
  • Edição de som 1/7
  • Mixagem de som 1/8
  • Figurino 1/5
  • Maquiagem 0/1

E a quantidade de vitórias e indicações de cada um dos filme:

  • O Discurso do Rei  – 4 vitórias e 12 indicações
  • O Artista – 5 vitórias e 10 indicações
  • As Aventuras de Pi – 4 vitórias e 11 indicações
  • Gravidade – 7 vitórias e 10 indicações
  • Birdman – 4 vitórias e 9 indicações
  • O Regresso – 3 vitórias e 12 indicações
  • La La Land – 6 vitórias e 14 indicações
  • A Forma da Água – 4 vitórias e 13 indicações
  • Roma – 3 vitórias e 10 indicações
  • Parasita – 4 vitórias e 6 indicações