Clueless

Os anos 90 foram inesquecíveis tanto para a moda quanto para o cinema. Verdadeiros clássicos foram lançados  tornando-se grandes produtos para a indústria cultural mundial durante esta década. O filme “Clueless” (As Patricinhas de Beverly Hills), lançado em 1995, trouxe consigo um figurino inesquecível. Protagonizado pela atriz Alicia Silvestone e dirigido por Amy Herckerling (Olha quem está falando, 1989), o longa narra a história da patricinha Cher Horowitz, uma típica riquinha mimada que mora no endereço mais “hypado” de Los Angeles, Beverly Hills. A moda, o consumo adolescente e o american way of life são temas explorados na obra.

Alicia Silverstone (também conhecida pelo clipe “Crazy” da banda Aerosmith) e Brittany Murphy (queridinha de Recém-Casados) foram alçadas à fama e precocemente ganharam status de estrela.

Clueless_ck

O figurino assinado por Mona May (Encantada, 2007) contém as referências “preppy” (estilo estudante rica bem arrumadinha das universidades inglesas e americanas) para as meninas e “double size” (roupas que são o dobro do tamanho indicado) para os meninos. Como qualquer filme adolescente, As Patricinhas de Beverly Hills divide as personagens em grupos sociais:  os skatistas, as patricinhas populares e o os rappers.

Nos anos 90, as culturas hip-hop e grunge cresciam. A tribo grunge tinha como grande exponencial fashion o vocalista do Nirvana, Kurt Cobain. O seu visual tinha como peças principais as t-shirts largas, jeans, camisas xadrez e o all star detonado. Na maioria das vezes, eram caracterizados como aqueles personagens que usavam drogas, eram desleixados, não faziam parte da roda dos populares e gostavam de skate.

patricinhasdebeverlyhills_7-650x400

Já os personagens que seguiam a cultura hip-hop como mantra fashion adotavam peças maiores do que seu tamanho real. O “double size ” tinha como principais ícones e referência fashion os rappers MC Hammer, Tupac Shakur e Michael Jordan. Essas peças eram aquelas em que usar dois números a mais era sinônimo de status, caso do personagem Murray (Donald Faison), namorado de Dionne (Stacey Dash).

Na década de 90 o status criado a partir do uso de marca cresceu bastante. NikeGap e Tommy Hilfiger explodiram em vendas graças aos famosos que as usavam no dia- dia.

Kate _Moss

Kate Moss desfilando para Tommy Hilfiger nos anos 90

 A GAP utilizou o estilo “Ivy league” (moda inspirada no estilo americano clássico, normalmente ligado as fardas e vestimentas das principais universidades norte-americanas) que vai muito além dos moletons com o nome das instituições, para garantir o sucesso de suas coleções. Do outro lado, a Nike lucrava com o seu mais importante garoto propaganda: Michael Jordan.

gap

Campanha da GAP nos anos 90

Enquanto as meninas – que copiavam a patricinha Cher – usavam, em sua maioria, saias xadrez e looks que remetem a grandes marcas, o estilista Tommy Hilfiger crescia no mercado jovem americano nos anos posteriores prezando o status e a exibição do nome da sua marca nas roupas como referência fashion.

Cher é a personificação do american way of life ao explorar a importância das marcas de roupa (vestido Calvin Klein) e o estilo das famosas (vide a roupa de ginástica à la Cindy Crawford). O terninho xadrez usado pela protagonista faz uma alusão ao já citado Ivy League. Mais conhecido como preppy o estilo busca fazer uma conexão entre as classes altas inglesas e o estilo “cool” entre os jovens.

cher-clueless-33999686-800-600

Um dos “makeovers” mais interessantes do filmes é a transição de estilo da personagem Tai, interpretado pela saudosa atriz Brittany Murphy. A garota recém-chegada na Costa Leste americana sente que precisa se enturmar e quer se tornar popular na escola, para isso ela abre mão de seu estilo largado grunge e passa a aderir ao preppy quando conhece Cher (Alicia Silverston). Tai, logo passa a agir de forma frívola e não abre mão de um conjuntinho xadrez.

clueless_

 

É a partir dessa perspectiva que o filme “As Patricinhas de Beverly Hills” revela a importância da marca como agregador social e como ela transita no espaço dos jovens, estereotipando certos estilos americanos.

clueless-pics-16-1

As Patricinhas de Beverly Hills para a Cultura Pop 

O filme virou uma referência para outras obras do gênero teen. Além de firmar-se como um dos melhores de sua época, a película ainda contribuiu com expressões para o vocabulário norte-americano como “as if ” e “whatever”, que se tornaram um viral na década de 90 e são válidos até hoje.

Outro fato interessante é que “As patricinhas de Beverly Hills” é uma versão moderna do clássico Emma da escritora inglesa Jane Austen.

E pra não dizer que saiu de moda, a rapper australiana, Iggy Azelea no clipe do seu hit, “Fancy” fez uma paródia ao clássico que este ano completa aniversário de vinte anos!

Deixe um comentário

Your email address will not be published.