Catamaran Discos abre as portas com festival

A Catamaran Discos resolveu celebrar sua inauguração com um festival acompanhado de duas prévias.  O selo tem sede em Natal/RN, e está sendo administrado por Gustavo Rocha e Patrick Schafstein, já conhecidos por causa de suas bandas, e contam com a ajuda de Luisa Isalu para organizar o Festival. A primeira prévia vai ser nesta quinta feira (18), no Casanova Ecobar, às 22h, com as bandas Son of a Witch, Talude e Moloko Drive. Confira abaixo um pouco de cada:

Son of a Witch: Formada por King Lizzard (vocal), Garibaldi Soares (bateria), Gustavo Rocha (baixo), Flávio França (guitarra) e Patrick Schafstein (guitarra), foi criada em 2011 e desde então não para, difundindo seu stoner rock por todo o Brasil. Ainda nesse semestre, eles têm datas marcadas em Natal, João Pessoa, Maceió, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo  Horizonte, basta olhar a página do Facebook deles.

Talude: O grupo surgiu no final de 2012 e é formado por Jônatas Barbalho (bateria), Vik Romero (vocal), Felipe Beniz (guitarra) e João Victor Moura (baixo) Trazem seu shoegaze/pós rock inspirados em John Frusciante e My Bloody Valentine para engrossar as fileiras dessa prévia. Com dois anos de estrada, a banda lançou um single e prepara seu primeiro clipe.

Moloko Drive: A mais recente do festival, a banda é formada por Vinícius Menna (guitarra e voz), Raphael (guitarra e voz), Paolo Bruno (Baixo e voz) e Fernando Gomes Jr (bateria).  Eles buscam suas influências em suas antigas bandas e na musicalidade das décadas de 60 e 70, que foram exibidas em seu primeiro EP, “Simulacro”, lançado neste ano.

I prévia Festival Catamaran
Cartaz do evento

Coletivo Música Experimental

Os criadores do Catamaran Discos, Patrick Schafstein e Gustavo Rocha, fazem parte do Coletivo Música Experimental,  criado em 2014, no qual os integrantes acreditam que todo lucro obtido tem que ser investido na música. O grupo ainda conta com mais oito pessoas. O coletivo utiliza toda a sua estrutura e conteúdo para a criação de eventos e ações ligadas à música. De acordo com Patrick Schafstein, o coletivo não é fechado, inclusive incentiva a participação do público para fornecer ideias, uma vez que o grupo existe devido à ajuda mútua entre público e bandas.

Um dos eventos criados pela equipe foi o Sensorium, que reuniu algumas bandas alternativas da capital potiguar para tocar no Ateliê Bar, na Avenida Duque de Caxias, no bairro da Ribeira.