A Catamaran Discos resolveu celebrar sua inauguração com um festival acompanhado de duas prévias.  O selo tem sede em Natal/RN, e está sendo administrado por Gustavo Rocha e Patrick Schafstein, já conhecidos por causa de suas bandas, e contam com a ajuda de Luisa Isalu para organizar o Festival. A primeira prévia vai ser nesta quinta feira (18), no Casanova Ecobar, às 22h, com as bandas Son of a Witch, Talude e Moloko Drive. Confira abaixo um pouco de cada:

Son of a Witch: Formada por King Lizzard (vocal), Garibaldi Soares (bateria), Gustavo Rocha (baixo), Flávio França (guitarra) e Patrick Schafstein (guitarra), foi criada em 2011 e desde então não para, difundindo seu stoner rock por todo o Brasil. Ainda nesse semestre, eles têm datas marcadas em Natal, João Pessoa, Maceió, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo  Horizonte, basta olhar a página do Facebook deles.

Talude: O grupo surgiu no final de 2012 e é formado por Jônatas Barbalho (bateria), Vik Romero (vocal), Felipe Beniz (guitarra) e João Victor Moura (baixo) Trazem seu shoegaze/pós rock inspirados em John Frusciante e My Bloody Valentine para engrossar as fileiras dessa prévia. Com dois anos de estrada, a banda lançou um single e prepara seu primeiro clipe.

Moloko Drive: A mais recente do festival, a banda é formada por Vinícius Menna (guitarra e voz), Raphael (guitarra e voz), Paolo Bruno (Baixo e voz) e Fernando Gomes Jr (bateria).  Eles buscam suas influências em suas antigas bandas e na musicalidade das décadas de 60 e 70, que foram exibidas em seu primeiro EP, “Simulacro”, lançado neste ano.

I prévia Festival Catamaran

Cartaz do evento

Coletivo Música Experimental

Os criadores do Catamaran Discos, Patrick Schafstein e Gustavo Rocha, fazem parte do Coletivo Música Experimental,  criado em 2014, no qual os integrantes acreditam que todo lucro obtido tem que ser investido na música. O grupo ainda conta com mais oito pessoas. O coletivo utiliza toda a sua estrutura e conteúdo para a criação de eventos e ações ligadas à música. De acordo com Patrick Schafstein, o coletivo não é fechado, inclusive incentiva a participação do público para fornecer ideias, uma vez que o grupo existe devido à ajuda mútua entre público e bandas.

Um dos eventos criados pela equipe foi o Sensorium, que reuniu algumas bandas alternativas da capital potiguar para tocar no Ateliê Bar, na Avenida Duque de Caxias, no bairro da Ribeira.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.