Curta: ‘Paperman’, Disney

Silencioso, em preto e branco e em 3D. O contraste entre as tecnologias da animação curta-metragem da Disney, “Paperman” (O avião de papel, 2012), casa melhor do que o esperado e cativa o mais chato dos espectadores, mesmo aquele que não costuma dar atenção a curta-metragens e os considera uma forma de cinema inferior aos longas pelos quais pagamos para assistir.

Cena inicial de “Paperman”

Talvez seja com esse intuito, o de tornar mais visíveis os seus curtas, que a Disney adotou a postura de sempre exibir um deles antes das suas animações longa-metragens, nos cinemas. O resultado é positivo. Ganha a empresa e ganha o espectador, que assiste dois filmes pelo preço de um e, muitas vezes, o curta acaba sendo tão bom quanto o longa. É o caso de “Paperman”.

A sinopse é simples: um trabalhador entediado encontra na estação de metrô uma mulher que lhe chama atenção. Contudo, não chegam a passar mais de alguns segundos juntos, sequer chegam a trocar palavras – visto que o filme é mudo -, mas olhares. Em seguida, o filme se desenrola na odisseia que enfrenta George para encontrar a moça pela qual encantou-se, Meg.

O curta é criativo e sensível, além de divertido e muito bem feito. Contudo, o que mais chama atenção é a trilha sonora, que parece guiar os passos do personagem George em sua saga. Para conhecê-la ou baixá-la, acesse o site do criador Adam Warrock.

Infelizmente, não é possível ainda encontrar o vídeo em boa qualidade no Youtube, mas para conhecer um pouco mais do curta, a Disney disponibiliza informações, dois vídeos do diretor sobre a ideia e os desenhos, e algumas imagens, em seu site. Mas para quem ficou curioso e quer dar uma conferida no curta, ainda dá tempo pegar a sessão de Detona Ralph, uma animação longa-metragem igualmente boa, já a postos e competindo na corrida do Oscar, e cujas sessões têm sido antecedidas pelo belíssimo “Paperman”.

Obs: “Paperman” concorre ao Oscar de melhor curta-metragem de animação

 

Atualização! Segue abaixo o vídeo do curta: