Depois de um grande tempo sem postar, posto aqui sobre um filme que, apesar de relativamente antigo, assisti recentemente, e uma opinião pessoal sobre “assistir filmes”.

Björk em Dancer In The Dark

Dancer in the Dark (Dançando no Escuro), filme de Lars Von Trier, considerado por muitos um gênio, por outros um sádico nazista, e estrelado pela cantora Björk, cujo estilo musical não tenho capacidade de reconhecer – uma vez que ela consegue me surpreender cada vez que escuto uma musica diferente – e com a participação da francesa Catherine Deneuve, levantou-me questões sobre valores básicos, como o da vida e do sacrifício.

O filme basicamente trata de uma mãe, imigrante do leste europeu, que tem uma condição genética que leva à cegueira, reversível com uma cirurgia. O filho dela, é acometido do mesmo mal e por isso, ela nunca tem gastos adicionais, mesmo que seja para comprar presente de aniversário para seu filho, sempre guardando o pouco dinheiro que ganha do emprego de operária para a cirurgia do filho. A trama vai se desenrolando e ela acaba tendo que lidar com assassinato, auto-depreciação e fazer sacrifícios gigantescos a fim de que o filho possa fazer a cirurgia.

Falar mais que isso seria cometer um “spoiler“. Apesar de ser um filme muito bom e que consideraria obrigatório sobre quem quer refletir um pouco, acho pouco recomendado se você não quer perder seu sono.

Depois de assistir esse filme à noite, perdi meu sono e me pus a pensar. Sobre sacrifícios e todo o resto que o filme leva a pensar e fui em busca das outras obras de Lars Von Trier e de outros filmes que me façam pensar. Quando perguntei a alguns amigos meus se eles tinham algum filme do tipo para poder me indicar, alguns me perguntaram porque eu queria filmes tão “tristes”. Respondi dizendo que, apesar de assistir filmes, como um todo, eu prefiro assistir filmes que me levem a pensar, que realmente me façam “matutar” sobre o conteúdo do filme, a razão das coisas, o valor das coisas. Gosto de repensar isso tudo para saber quais os motivos pelos quais eu luto todos os dias, na faculdade, para que em algum ponto da vida eu encontre alguém para compartilhar parte da minha vida, para que eu saiba quando alguém me pergunte: “Para que você vive?”

De qualquer forma, gostei muito e recomendo esse filme para quem quiser fazer uma boa reflexão.

Posso prometer, além da reflexão, uma das cenas mais fortes que já assisti na vida: a cena final.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.