Equipe de ‘Tatuagem’ recebe Kikito de Melhor Filme do Festival

Nesse sábado (18), houve a premiação dos melhores títulos que concorriam no Festival de Cinema de Gramado. O que tem causado murmuros e colocado em ênfase nos sites e editorias de cultura é o fato de o  filme pernambucano “Tatuagem”, dirigido por Hilton Lacerda, vencedor do Kikito de melhor filme da edição 2013 do festival, tem enredo que trata sobre um romance homossexual. Além do prêmio máximo do festival, o longa também rendeu a Irandhir Santos a consagração de melhor ator.

Cena de “Tatuagem”

A trama é ambientada no ano de 1978, e retrata um cabaré de Recife, onde a contestação ao regime militar vigente é feita por meio do deboche e da anarquia. Nesse ambiente, Clécio (Irandhir Santos), o líder de um grupo teatral, tem um relacionamento com Paulete (Rodrigo Garcia) até que se apaixona pelo jovem soldado Fininha (Jesuíta Barbosa). Você pode conferir um trecho do filme aqui.

Abaixo, a lista dos premiados:

 

Longas-metragens brasileiros

Melhor filme: “Tatuagem” (PE), de Hilton Lacerda

Melhor diretor: Andradina Azevedo e Dida Andrade, por “A Bruta Flor do Querer” (SP)

Melhor ator: Irandhir Santos, por “Tatuagem” (PE)

Melhor atriz: Leandra Leal, por “Éden” (RJ)

Melhor ator coadjuvente: Walmor Chagas, por “A Coleção Invisível” (BA)

Melhor atriz coadjuvante: Clarisse Abujamra, por “A Coleção Invisível” (BA)

Melhor roteiro: Domingos de Oliveira, por “Primeiro Dia de Um Ano Qualquer” (RJ)

Melhor fotografia: Gallo Rivas, por “A Bruta Flor do Querer” (SP)

Melhor montagem: Karen Harley, por “Os Amigos” (SP)

Melhor direção de arte: Eloar Guazzelli e Pilar Prado, por “Até que Sbórnia nos Sepere” (RS)

Melhor trilha musical: DJ Dolores, por “Tatuagem” (PE)

Melhor desenho de som: Edson Secco, por “Éden” (RJ)

Prêmio do júri oficial: “Revelando Sebastião Salgado” (RJ), de Betse de Paula

Prêmio do júri popular: “Até que a Sbórnia nos Separe” (RS) e “A Coleção Invisível” (BA)

Longas-metragens latino-americanos

Melhor filme: “Repare Bem (POR)”, de Maria de Medeiros

Melhor diretor: Roberto Flores Prieto, por “Cazando Luciérnagas” (COL)

Melhor ator: Cesar Troncoso, por “A Oeste do Fim do Mundo (ARG/BRA)

Melhor atriz: Valentina Abril, por “Cazando Luciérnagas” (COL)

Melhor roteiro: Carlos Franco Esguerra, por “Cazando Luciérnagas” (COL)

Melhor fotografia: Eduardo Ramírez Gonzáles”, por “Cazando Luciérnagas” (COL)

Melhor filme júri popular: “A Oeste do Fim do Mundo (ARG/BRA)”, de Paulo Nascimento

Prêmio especial do júri: Grupo de Teatro Catalinas Sur, por “Venimos de Muy Lejos” (ARG)

Curtas-metragens nacionais

Melhor filme: “Acalanto” (MA), de Arturo Saboia

Melhor diretor: Arturo Saboia, por “Acalanto” (MA)

Melhor ator: Kauê Telloli, por “A Navalha do Avô” (SP)

Melhor atriz: Léa Garcia, por “Acalanto” (MA)

Melhor roteiro: Francine Barbosa e Pedro Jorge, por “A Navalha do Avô” (SP)

Melhor fotografia: Alexandre Samori, por “Arapuca” (SP)

Melhor montagem: GilbertoScarpa e Vinícius Gotardelo, por “Merda!” (MG)

Melhor direção de arte: Rogério Tavares, por “Acalanto” (MA)

Melhor trilha musical: Luiz Oliviéri, por “Acalanto” (MA)

Melhor desenho de som: “Tiago Bello, Rita Zart e Marcos Lopes, por “Tomou Café e Esperou” (RS)

Prêmio do júri popular: “Acalanto” (MA), de Arturo Saboia

Menção honrosa: “Carregadores do Monte” (SP), de Cassio Santos e Julio Lucena

Prêmio especial do júri: “Os Filmes Estão Vivos” (RS), de Fabiano de Souza e Milton do Prado

Prêmio Canal Brasil: “A Navalha do Avô” (SP), de Pedro Jorge

Prêmio do Júri da Crítica

Melhor longa brasileiro: “Tatuagem” (PE), de Hilton Lacerda

Melhor longa latino-americano: “Repare Bem (POR)”, de Maria de Medeiros

Melhor curta nacional: “Os Filmes Estão Vivos” (RS), de Fabiano de Souza e Milton do Prado

Prêmio Dom Quixote

Vencedor: “Repare Bem (POR)”, de Maria de Medeiros

Menção Honrosa: “Venimos de Muy Lejos” (ARG), de Ricardo Piterbarg

Menção Honrosa: “A Oeste do Fim do Mundo” (ARG/BRA), de Paulo Nascimento

One Response

  1. Avatar
    Ale

    Eu amo Cesar Troncoso é um magnífico ator, uma vez que eu vi na ou Mesmer, eu me apaixonei e eu o admiro por assumir riscos nos papéis que ele escolhe

    Responder

Deixe um comentário

Your email address will not be published.