Pensando nas férias, ou o que ainda resta delas, e levando em consideração o feriado de Carnaval, afinal nem todo mundo curte a muvuca, preparamos uma lista com dicas de séries, não tão conhecidas pelo grande público, para você fazer maratona durante essa folga de início de ano. Então divirta-se e quem tiver outras sugestões pode compartilhar conosco nos comentários!

Essa lista foi montada com a colaboração de várias pessoas e como não consegui assistir todas as séries que foram sugeridas, cito no final do post o nome de outras que foram bastante elogiadas e que estão na minha lista de inéditas.

1 – My Mad Fat Diary

8440526385_07c8040903_o

Adaptação do livro “My Fat, Mad Teenage Diary“, o seriado é do tipo que você inicialmente não dá muito valor e quando começa a assistir se pega envolvida. A série é curtinha, com três temporadas de 16 episódios, protagonizada por Rae, uma adolescente acima do peso com sérios problemas de alimentação e autoestima.

A proposta da trama é que o espectador embarque na verdadeira viagem de emoções e autoconhecimento que é a vida da Rae.  Poucos personagens, aliás, são tão carismáticos quanto ela, mesmo nunca tendo passado pelos dramas da personagem, você ainda assim consegue se conectar com ela. O elenco secundário também não fica atrás, e ao desconstruir certos rótulos, não apenas do peso ideal como também ‘do cara ideal’ ou ‘do bad boy’, a série prova o quanto gosta de brincar com estereótipos.

2 – Younger

Younger é a série mais recente da lista. Produzida pelo canal americano TV Land, estreou sua primeira temporada no ano passado. Protagonizada por Liza, uma mulher de 40 anos recém-divorciada e com uma filha adulta, Younger acima de tudo mostra que a busca pela aceitação social vai além da adolescência. Após anos se dedicando ao casamento, Liza quer reestruturar sua vida e retornar ao mercado de trabalho, mas é rejeitada em toda entrevista que consegue devido à sua idade. A saída da personagem é se passar por uma pessoa mais jovem.

Com isso a série puxa uma interessante e inesperada crítica a respeito da obsessão da nossa sociedade pela juventude. Cada personagem reflete isso ao pensar que os 20 são os anos do sucesso e os 40 do fracasso. É bom, no entanto, deixar claro que não é pretensão da série se aprofundar no tema, tudo é tratado da forma mais leve e cômica possível. No entanto, ainda assim a aposta ousada do show deve ser reconhecida, fora que enquanto entretenimento Younger também cumpre muito bem o seu papel. Aqui no Brasil, a série, que irá para sua segunda temporada, é exibida pelo canal E!

3 – The Borgias

Produzida pela Showtime e exibida entre 2011 e 2013 (no Brasil está disponível na Netflix), The Borgias explora a conturbada vida da polêmica família Borgia na Itália renascentista, mostrando sobretudo o enorme jogo político em torno da eleição para papa.

Curtinha, com apenas três temporadas, The Borgias tem certas semelhanças com The Tudors. O fato de explorar ao máximo as relações conflituosas da família é o ponto de destaque do roteiro, principalmente na impecável primeira temporada. Infelizmente (assim como tantas outras) a série foi cancelada, mas merece ser vista.

4 – Veronica Mars

Picture-1

Outra série que teve vida curta foi Veronica Mars, exibida pelo canal The CW entre 2004 e 2007. Veronica, antes doce e popular, teve sua vida mudada após o assassinato da melhor amiga. Disposta a descobrir o culpado, ela passa a investigar o caso e em pouco tempo torna-se a detetive particular de sua escola. A série teen tem como formato casos da semana, sendo que cada temporada é construída em torno de um grande crime a ser solucionado até a season finale.

É possível identificar influências de outras séries do gênero adolescente, principalmente Buffy the Vampire Slayer, show responsável por revelar seu criador Joss Whedon (franquia Os Vingadores). Assim como Whedon, o criador de Veronica Mars, Rob Thomas, brinca com o estereótipo de loira burra e indefesa, apresentando uma personagem feminina (loira) como a heroína da história. Whedon inclusive se revelou fã do show, chegando a fazer uma participação especial. Em 2007 a série, que nunca conquistou um grande público, foi repentinamente cancelada e sua terceira temporada (a mais fraca) terminou com final inconclusivo. Sete anos depois, a equipe se reuniu para realizar  um filme financiado pelos fãs a fim de concluir a trama.

Veronica Mars, assim como Buffy, se tornou o diferencial dentro de uma grade repleta de protagonistas masculinos, que era a realidade das séries teens da TV americana até então. No Brasil o seriado foi exibido pelo SBT e TNT e tanto o seriado quanto o filme estão disponíveis para download.

5 – Filhos da Guerra

3germany-movie

Exibida originalmente em 2013 na Alemanha, “Unsere Mütter, unsere Väter” originalmente e “Filhos da Guerra” no Brasil, se passa na Segunda Guerra Mundial mostrando a trajetória de cinco amigos alemães. Acusada de vitimar a Alemanha nazista, a série recebeu muitas críticas internacionais, ainda sim foi sucesso no seu país de origem e ainda ganhou um Emmy internacional.

Desde que tomei conhecimento da minissérie em 2014 tive vontade de assistir, mas até então ela ainda não tinha chegado ao Brasil. A oportunidade veio em 2015 quando a Globo exibiu. Em primeiro lugar a produção é muito bem feita esteticamente, adorei a fotografia, os atores também ajudam a construir bem a trama, embora não haja nenhum grande destaque.

E quanto à polêmica, ela aparece a partir do momento em que a produção se propôs a mostrar a Guerra pelo ponto de vista dos alemães. A ideia, a meu ver, não foi vitimar ou vilanizar alguém e sim a partir da visão desses cinco amigos mostrar que, independente de lados, a Guerra é cruel com todos, capaz de mudar pessoas e destruir relações. Filhos da Guerra não toma partido e nem poderia.

6 – One Tree Hill

Exibida entre 2003 e 2012 pelo canal UPN, que posteriormente se tornou The CW (aqui no Brasil pelo canal aberto do SBT), One Tree Hill é a típica série que todos conhecem mas poucos assistem. Ela se junta a Dawson’s Creek e The O.C no rol de séries teens influenciadas pelas produções de John Hughes.

Com uma proposta inicialmente clichê, apresentando a típica vida de high school dos EUA, One Tree Hill evoluiu bastante ao longo de seus nove anos, adotando discursos cada vez mais sérios que saíram do universo juvenil adentrando no adulto. Embora nunca tenha ganhado prêmios ou caído nas graças da crítica, a série é responsável por alguns dos episódios mais memorareis do gênero para a TV, tais como “Pictures of you” da quarta temporada e o sufocante “With Tired Eyes, Tired Minds, Tired Souls, We Slept” da terceira temporada que faz referência ao longa “O Clube dos Cinco”, de Hughes.

A grande alma da série é sua trilha sonora, parte integrante de todo o enredo, tanto que cada capítulo era titulado com o nome de uma música. Aliás, é impossível lembrar de uma cena sem remeter à música trilha, tamanha a sintonia entre ambas, como é o caso de Baby I’m Gonna Leave You nos acordes de Led Zeppelin tocada nos seis minutos finais da intensa season finale do terceiro ano (o melhor de todos!).

7 – Twin Peaks

1421155773_twin-peaks-zoom

A presença de Twin Peaks nessa lista pode ser questionada, afinal popularidade não lhe falta. A série se tornou um fenômeno nos anos 90 e influenciou muitas outras no estilo investigação criminal, por exemplo Arquivo X. O problema é que com o tempo, Twin Peaks tornou-se muito mais falada do que de fato assistida e não se sabe o porquê disso. Outro mistério para mim é o fato de só ter durado duas temporadas, considerando o tamanho do seu sucesso.

O enredo era movido por uma só pergunta: quem matou Laura Palmer? O responsável por conduzir a investigação foi o agente do FBI Dale Cooper. Ao longo de seus 30 episódios, o que mais marcou na série foi o estilo excêntrico de seu criador, David Lynch, seja na escolha de personagens ou de cenários. Dentre as maiores críticas e maiores elogios à série está a afirmação de que ela não fazia sentido. O que eu acho? Twin Peaks não faz lá muito sentido mesmo, e ainda bem! Quer saber o motivo? Assista!

8 – Polseres Vermelles

polseres-vermelles_araima20110125_0161_1

A última da lista é uma série de catalã exibida nos anos de 2011 e 2013, constando de duas temporadas. Polseres Vermelles é baseada na vida de seu criador Albert Espinosa e também em um livro escrito por ele chamado O Mundo Amarelo.

Com um enredo que se afasta totalmente de qualquer padrão clichê, a série aborda a relação de amizade entre seis jovens de diferentes idades que se conhecem em um hospital de Barcelona.

De teor dramático, a trama aborda diversas questões vividas pelos personagens como câncer, distúrbios alimentares, síndrome de asperge, bullying, além de questões típicas da adolescência como o primeiro amor, aceitação social e outras. Com duas temporadas realizadas e outras duas previstas, a série foi um grande sucesso na Espanha e em outros países europeus. Nos EUA ganhou uma adaptação produzida por Steven Spielberg chamada de Red Band Society.

+ Bônus

Das séries que ainda irei assistir, e que deixo aqui como sugestão para os leitores igualmente curiosos, estão: Luther, Empire, Pushing Daisies e Humans.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.