Killing Floor: um pouco de carne fresca pro almoço, por favor!

Para a análise de hoje, servi-me um prato que me agrada muito e que me senti na obrigação de compartilhar. A pedida de hoje é FPS. Que tal misturar um pouco de horror e survival para dar aquela pitada saborosa? Não, nada de Left 4 Dead. Para vocês trouxemos hoje: Killing Floor!

Killing-Floor

Game desenvolvido e distribuído pela Tripwire Interactive, é um FPS com elementos de survival horror. O game, como todo FPS e jogo de zumbi, tem um enredo mínimo explicativo sobre os fatos. A história se passa em Londres, onde uma empresa chamada Horzine Biotech é contratada para realizar experimentos de clonagem em massa e manipulação genética. Já deu pra sacar que nisso ia dar muita merda, né? MUITA! E o resto é bem simples: o experimento dá muito errado, uma horda de zombies começa a surgir de forma exponencial e a Inglaterra é tomada por um enxame de comedores de cérebro. Deste ponto em diante o jogador é inserido, ele é uma das pessoas sobreviventes que junto do governo britânico se organiza em times para tentar colocar fim a essa verdadeira balburdia!

Nada de novo, não é mesmo? Típico cenário zombie tradicional. O enredo da história é explicativo para os diversos tipos de missões que encontramos no game a fim de não existir um vazio tão grande, do gênero que “simplesmente aconteceu e joga isso aí que tá de bom tamanho”. A história criada e contada não chega a ser um pecado e muito menos um grande acerto. Trata-se apenas de um pano de fundo para que existam milhares de zombies correndo atrás dos players.

Saí capeta!

Sai, capeta!

Pontos Positivos

Para quem é acostumado com a temática zombie e gosta de FPS, Killing Floor cumpre o que prometeu. O game é recheado de sangue e diversas armas, cada uma com um estilo diferente que privilegiará o jogador se usado contra um determinado tipo de inimigo, como também desvantagens, como por exemplo, velocidade de recarga.

Outro ponto que destaco como positivo é a ausência da famosa mira, sim! Se você está acostumado a meter bala sem usar a mira secundária, confiando na mira tradicional, você terá que reaprender a jogar para Killing Floor. Sua percepção de como funciona a trajetória da bala no game é muito mais importante, essencial. Em muitos momentos o jogador poderá ver tudo em câmera lenta, das suas próprias ações e a chegada de novos Zombies. Sensacional! Você está ali, descarregando cartuchos sem parar, quando pode respirar e aproveitar o slow motion.

A gama de escolha de zombies é realmente bem grande, deixando o player apreensivo com determinados tipos de monstros que possam surgir no decorrer da jogatina. O multiplayer é o ponto alto, é SENSACIONAL jogar com seus amigos e sair matando monstros por aí. Dentre os pontos positivos, esse é um dos melhores senão o melhor, o modo multiplayer está caprichado, cheio de mapas e de diversão.

A trilha sonora é um caso a parte, recheada do bom e verdadeiro metal, que faz com que o clima de “vou acabar com essa palhaçada de uma só vez!” fique ainda mais envolvente para quem gosta do gênero. E aos que não gostam, não deixe de jogar por isso, o metal se mostra eficiência em nos manter focados em exterminar as hordas que chegam.

Quanto bicho feio, morre suas pestes!

Quanto bicho feio, morram suas pestes!

Pontos Negativos

O lado pesar do game fica por conta dos gráficos, que são bem ultrapassados para a época em que foi lançado (14 de maio de 2009). O slow motion, apesar de divertido no começo, às vezes pode incomodar. Aos que gostam de escolher com calma suas armas, esqueça isso em Killing Floor. A velocidade com que é preciso comprar as armas é alta, pense rápido, compre, se equipe e vá destruir cérebros.

A feição e dublagem não são das melhores também. O modo singleplayer do game é uma das maiores falhas, apesar de mostrar o que devemos fazer, jogar sozinho Killing Floor é extremamente chato e cansativo. A probabilidade que você morra algumas dezenas de vezes é grande, não há os famosos boots amigos (outros personagens controlados pelo computador) para facilitar a jogatina, é simplesmente: mate ou seja comido. Você deve escolher matar os zombies ou ser comido por eles, contudo, é suicídio realizar isso sozinho, a jogatina se torna bastante complicada.

VALE A PENA?

Existe uma história interessante a ser lembrada sobre o Killing Floor. Inicialmente ele foi lançado somente como um mod de Unreal Tournament 2004 e foi posteriormente retrabalhado e lançado oficialmente como um game.

O game é um daqueles que de primeira vez você pode achar uma grande porcaria, se você começar do jeito errado, esse é um grande perigo quando uma produtora lança um modo de jogo para tapar um buraco ou porque é padrão de mercado. Killing Floor não é exceção alguma nesse sentido. O singleplayer do game é chato e enjoativo, eu caí nessa armadilha, entrei nele, entendi nada do que estava acontecendo, fechei o game depois de alguns minutos. Não faça como o burro que vos escreve! Comece pelo multiplayer sim! Jogar com os amigos e em grupo é muito mais divertido, o game foi criado para ser jogado assim, é muito nítido pela dificuldade apresentada durante toda a jogatina.

Aos que gostam de jogar junto e de sangue, altamente recomendado! Sim, o jogo vale a pena ser comprado e jogado.  É certeza de diversão por uma centena de horas, com a diversidade de games e monstros para matar. Junte a galera e devaste os zombies que estão vindo a procura de carne fresquinha, não deixe que seja a sua carne a próxima a ser degustada por eles!

 FICHA TÉCNICA

scrakeprcharactersheet

Capa do game

Desenvolvedora Tripwire Interactive
Distribuidora Steam (online)
Tripwire Interactive (América do Norte)
Iceberg Interactive (Europa)
Data de lançamento 14/05/2009
Plataformas Microsoft Windows
Mac OS X
Linux

 

RESUMO

Pontos Positivos

  • Muito sangue (para os amantes do gênero);
  • Boa variedade de armas;
  • Ausência da mira, obrigando o jogador a aprender a trajetória da bala em cada tipo de arma;
  • Slow motion em momentos decisivos (para aumentar o clímax);
  • Diversidade de zombies;
  • Excelente trilha sonora;
  • Multiplayer divertido bagaramba!

Pontos Negativos

  • Gráficos ultrapassados;
  • Slow motion pode atrapalhar em momentos que o player deseja fazer as coisas de forma mais frenética.
  • Alta velocidade na loja para escolha das armas e equipamentos;
  • Singleplayer enjoativo e chato.

Então fica um gameplay para vocês curtirem um pouco!

One Response

Deixe um comentário

Your email address will not be published.