Livros e HQ’s: Gargalhadas com ‘Neymar Jr.: Um garoto de talento’

Parte da capa de estreia: “Um garoto de talento”

Gosto muito disso, escrever e ler, duas paixões que às vezes ficam distantes da gente, mas tão logo a gente retorna a elas com gosto, seja com quadrinhos, livros, artigos e etc. Depois de um longo período de descanso, estou cá eu, sem papas nos dedos, “com cousa alguma” (como diria o nosso mestre Machado de Assis) pra se preocupar. Mentiras à parte da preocupação, vamos ao que me trás aqui. Tive uma leitura razoável com as novas apostas de Maurício de Sousa, resolvi acreditar em seu mais novo trabalho para ver o que poderia sair dali e me surpreendi.

“Neymar Jr.: Um garoto de talento” é a primeira revista do craque (ex-Santos, atual Barcelona) Neymar que sai pelos traços, como aconteceu com Pelé e Ronaldinho Gaúcho, dos famosos quadrinhos de Maurício de Sousa, a princípio, um bom marketing, uma boa propaganda e divulgação. Parecia apenas mais um produto, comprei de forma despretensiosa, apenas para ver o que poderia estar por de trás das páginas coloridas do HQ. Encontrei um trabalho bem pensado. As primeiras páginas são introdutórias, um prólogo da história de vida do jogador, mostrando um pouco do dia a dia do menino que “um dia” se tornaria um craque nos campos de futebol. Seu pai, também Neymar, aparece, sua irmã Rafa, a mãe Nadine e o coelho chamado Coelho, criativo não?

Neymar com a comilona Magali

A princípio, a introdução pode parecer um pouco chata, mas não fique de “saco cheio” logo na primeira história, continue lendo. As próximas páginas nos reservam coisas melhores. As histórias seguintes não precisam apresentar os personagem ao leitor, apesar de existirem outros personagens sendo adicionados à HQ.

Cada nova aventura, não é exagero dizer isso, Neymar se mostra um menino pentelho, que adora jogar bola, por onde passa costuma quebrar vasos, lâmpadas e, o mais importante, janelas! Como jogar bola, quando moleque, e não quebrar janelas? É como quebrar uma regra sagrada, do santo sacerdócio! Oh, meu pai. As histórias são muito engraçadas, possuindo um tom de humor bastante moderado, nada muito forçado, brincadeiras de crianças, bagunça, balburdia e todo tipo de coisas que somente as crianças, que são umas graças, para conseguirem fazer.

O roteiro foi muito bem escrito, percebe-se uma equipe muito grande por de trás, designers, editores, diagramadores, direção executiva, desenho, arte final, ilustrações de capa, letras, acabamento, cor, assistentes de arte, layout de passatempo, assistente de arte, coordenação de arte e etc. Temos uma equipe comprometida a fazer coisa séria de forma leve para quem vai ler, os pequenos e jovens, ou mais grandinhos, como eu. Entre algumas histórias, encontramos alguns passatempos da turma da Mônica, para o leitor relaxar um pouco e mais para frente conta a história de como surgiram os primeiros passos da Turma da Mônica, as filhas do Maurício de Sousa que foram a grande inspiração para a criação da turma mais barra pesada dos quadrinhos destinados ao público infantil do cenário brasileiro.

Coletiva de imprensa realizada para apresentação da nova série de Maurício de Sousa

Essa equipe me arrancou muitas gargalhadas e risos, pela forma suave, natural e engraçada que as situações que Neymar, sua irmã e seu pai passam juntos, com algumas lições de moral e muito entretenimento. Se você procura uma história light para o seu filho, ou para você mesmo se distrair, é uma boa pedida. O teor das histórias, um pouco mais infantil não torna a leitura chata, pelo contrário, a torna divertida e muito dinâmica. O foco, claro, fica em Neymar e os outros personagens da Turma da Mônica não possuem destaque em parte alguma, a não ser pelos “extras” já citados de passatempos e uma breve história de como surgiu a turma.

Apesar de algumas histórias serem mornas no começo, principalmente a primeira, o final sempre vale a pena. Não é uma história madura, que todo jovem ou adulto goste, mas são histórias típicas de HQs infantis, que certamente farão a festa da garotada.

Evidentemente, nos quadrinhos Neymar sonha em ser um grande jogador