A capital do Rio Grande do Norte é uma das cidades onde o Ira! vai fazer a turnê intitulada de “Núcleo Base”, música do grupo que é uma das faixas de “Mudança de Comportamento” (1985), o primeiro álbum da trupe. O show acontecerá nessa quinta-feira (14), no Teatro Riachuelo.

“A turnê pretende mostrar o panorama bem fiel à execução dos nossos discos”, explica o Nasi, vocalista da banda, em entrevista para O CHAPLIN. Esta é a segunda vez que eles tocam em Natal, a primeira foi no Mada em 2002.

Com influências de bandas punks, como The Clash, eles ajudaram a construir a cena roqueira da década de 80. Começou quando Edgard Scandurra e Nasi se juntaram para tocar em um festival na Pontíficia Universidade Católica (PUC) de São Paulo. Em 1983 lançaram o primeiro compacto intitulado com o nome do grupo. Foi neste trabalho que saiu “Pobre Paulista”, o primeiro sucesso.

Alguns acusam a letra de ser preconceituosa com os migrantes da maior cidade do país. Para evitar mais polêmicas, Nasi alega que prefere não cantá-la e nem está no repertório oficial de “Núcleo Base”. Na nova temporada de shows, sendo que o primeiro aconteceu na Virada Cultural, na capital paulista, algumas pessoas chegaram a pedir que eles tocassem a canção, porém a solicitação não foi atendida pelos integrantes.

Foto: Divulgação

Ira! com os integrantes da formação clássica (Foto: Divulgação)

Após o compacto e primeiro disco, eles lançaram “Vivendo e Não Aprendendo” (1986), que tem os hits “Envelheço Na Cidade”, “Dias de Luta” e “Flores em Você”. Depois vieram mais 11 trabalhos, incluindo o “Acústico MTV” (2004), álbum que ajudou a ficarem conhecidos pelo público mais jovem. A última produção foi “Invisível DJ” (2007).

O Ira! voltou depois de um hiato de sete anos, causado por uma turbulenta briga entre o vocalista e o empresário da banda, Airton Valadão (também irmão do músico). Essa discussão fez com que outros integrantes se envolvessem. Depois, eles partiram para as suas respectivas carreiras solos. O  frontman e o guitarrista Edgard Scadurra fizeram as pazes num show beneficente realizado em outubro de 2013.

“Foi uma oportunidade para conversar sobre música e o que a gente queria. E pelos nossos papos percebemos que a situação estava resolvida logo após o nosso reencontro”, comenta.

O guitarrista Edgard Escandurra e o cantor Nasi estão de volta após sete anos de separação (Divulgação)

O guitarrista Edgard Escandurra e o cantor Nasi estão de volta após sete anos de separação (Divulgação)

De acordo com o cantor, a apresentação nas terras potiguares será similar ao que aconteceu em Sampa. Portanto, eles tocarão “Girassol”, “Flerte Fatal”, “Tolices”, “Longe de Tudo” e dentre outras. Agora, a nova formação além de contar com Nasi e Edgard, tem a participação de Daniel Scandurra no baixo (ele é filho do guitarrista), Johnny Boy (teclados) e Evaristo Pádua (bateria).

“O clima está ótimo, há um companheirismo, diversão, respeito e isso está sendo refletido no show”, disse. Nesta rápida entrevista ao O CHAPLIN, Nasi comenta a expectativa de shows em Natal (incluindo elogios à cidade), retorno com a banda e os projetos para o futuro. Confira a seguir:

O CHAPLIN: Por que a escolha do nome “Núcleo Base” para turnê?

Porque o show será o apanhado da história da banda, que pretende mostrar o panorama bem fiel à execução dos nossos discos. Acompanhar os novos músicos que estão nessa nova formação. Então, o público vai poder assistir e lembrar um pouco da nossa trajetória.

O CHAPLIN: Podemos dizer que o Ira! está “de volta às raízes”?

Exatamente!

O CHAPLIN: Em entrevistas você sempre fala da forte influência do The Clash e outras bandas punks. O que caracteriza o som desta nova fase?

Olha, eu posso afirmar que estamos com uma pegada mais rock ainda do que a formação anterior. Estamos com uma sonoridade mais acentuada para grandes ídolos da nossa adolescência. O show dessa nova formação terá esse tipo de foco.

O CHAPLIN: O encontro de Scandurra e você surgiu após um show beneficente, como foi o contato até chegar a realização desta apresentação?

Foi conversando com muita calma para conseguir realizar esta apresentação no dia 30 de outubro (data do show beneficente que ajuda a Escola Nane, especializada em ensinar crianças com dificuldade de aprendizado). Foi uma oportunidade para conversar sobre música e o que a gente queria. E pelos nossos papos percebemos que a situação estava resolvida logo após o nosso reencontro.

Nasi | Foto: Rui Mendes

Nasi | Foto: Rui Mendes

O CHAPLIN: Como está a interação entre vocês [Nasi e Scandurra] com a nova formação?

Está incrível! Quando a gente fez a escolha dessa formação, nós chamamos os músicos que estavam muito integrados às nossas vidas desde os últimos anos. Então, o Daniel Rocha, que é filho do Edgard, toca baixo nos trabalhos solos dele. O Evaristo, que é baterista, toca comigo há cinco anos, gravou os meus dois últimos discos solos (“Vivo Na Cena” e “Perigoso”) e Johnny Boy (tecladista) já é conhecido de muitos anos, participou de várias gravações e festivais junto com o Ira! Então, isso fez com que várias etapas da convivência fossem superadas e o clima está ótimo, há um companheirismo, diversão, respeito e isso está sendo refletido no show. Natal poderá ver a banda em uma de suas melhores apresentações.

O CHAPLIN: Isto seria exatamente o tema da minha próxima pergunta, quais são as expectativas para tocar na cidade?

Ah sim, Natal é uma cidade belíssima, para gente vai ser um prazer ir para cidade. A gente quer arranjar um tempinho para curtir uma praia e é sim uma das capitais mais bonitas do Brasil. Já é uma satisfação tocar em lugar como esse. O público vai assistir a um show similar que a gente fez na Virada Cultural em São Paulo.

O CHAPLIN: Vocês pretendem com esta reunião produzir algum material com esta turnê ?

Pretendemos sim, com certeza. Mas isso vai ser feito com calma, com bastante maturidade, para escolher um longo repertório e incluir algum material inédito. Esperamos fazer isso mais para frente.

O CHAPLIN: De material inédito vocês produziram a canção “ABCD”, tem algum outro trabalho novo?

Por enquanto ainda de inédita só mesmo “ABCD”, as outras músicas estão em fases iniciais, ainda são temas e riffs, só queremos apresentá-las quando estiverem terminadas.

O CHAPLIN: Para finalizar a entrevista, estes sete anos sem a banda lhes trouxeram algum benefício?

Trouxe muitos [benefícios], sem dúvida nenhuma. Tirando a parte da briga, a gente precisava desse tempo e era algo que queríamos, para a gente sentir saudades novamente de tocar juntos, e tivemos a oportunidade de fazer os nossos projetos solos. Os anos de 2010 e 2011 foram muito importantes para mim, o Vivo Na Cena (segundo álbum solo) foi indicado como Melhor Álbum de Rock Brasileiro no Grammy Latino e gravei um DVD. O mais recente, “Perigoso” (2012), foi bem recebido pela crítica e público, fiquei muito satisfeito. Edgard além de ter feito material próprio, tocou com outros músicos e para diferentes públicos. Isso fez que a gente se tornasse músicos bem melhores.

SERVIÇO:

Ira! – Turnê “Núcleo Base”
Data: 14/08
Local: Teatro Riachuelo (Midway Mall)
Horário:  21h (Abertura com DJ Magão começa às 19 horas)
Informações: www.teatroriachuelo.com.br.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.