O dia que o rock ajudou a combater a fome

live-aid
Live Aid aconteceu simultaneamente na Inglaterra, Austrália, Estados Unidos e Japão

13 de julho foi comemorado o Dia Mundial do Rock. Para não deixar esta data em branco, a equipe d’O CHAPLIN vai falar o porquê desta comemoração. A resposta está em um evento que aconteceu há 29 anos e foi um importante festival de música que lutou para combater a fome, intitulado de Live Aid.

O evento foi organizado pelo irlandês Bob Geldolf e teve shows simultaneamente na Inglaterra, Austrália, Estados Unidos e Japão. Bob era o líder da banda The Boomtown Rats. Através de uma reportagem na televisão inglesa, ele se sensibilizou com as mortes de milhares de pessoas por causa da fome na Etiópia e prometeu tomar alguma atitude.

Em 1984, o rockstar pediu a ajuda de Midge Ure, da banda Ultravox, e compuseram a canção “Do They Know It’s Christmas?”, que contou com o apoio de George Michael, Boy George, U2, Sting, Phil Collins, etc.

Assim nasceu a Band Aid, formada por músicos britânicos e irlandeses que estavam fazendo sucesso nas paradas da época. O single foi lançado perto do Natal e se tornou o mais vendido de toda a história do Reino Unido. A intenção inicial com esta música era arrecadar 70 mil libras.

Irlandês Bob Geldolf resolveu fazer o Live Aid após ter assistido uma reportagem sobre a situação da Etiópia
Irlandês Bob Geldolf resolveu fazer o Live Aid após ter assistido uma reportagem sobre a situação da Etiópia

Vale lembrar que o lançamento de “Do They Know It’s Christmas?” foi num período “pré-We Are The World”, composta por Michael Jackson e Lionel Richie meses depois. Bob Geldolf ficou acomodado depois do lançamento da canção? Não, ele queria mais e tinha um plano considerado ambicioso por algumas pessoas. O músico conseguiu o contato com o promotor de eventos Harvey Goldsmith para fazer um festival com a finalidade de combater a fome na Etiópia.

Eles conseguiram convencer músicos não só vindos da terra da rainha, mas também dos Estados Unidos a participarem. Portanto, o line-up foi composto não só por integrantes do Band Aid. Eles gastaram cerca um milhão de libras esterlinas para que o sonho se tornasse uma realidade.

O Live Aid começou às 12 horas (horário da Inglaterra), com a apresentação de Status Quo, após a tropa de infantaria de elite do Exército britânico ter tocado o hino da Grã-Bretanha. Em 16 horas, cerca de 60 artistas fizeram o seu som por uma causa social.

Madonna em sua apresentação no Live Aid
Madonna em sua apresentação no Live Aid

O festival foi uma referência por apresentações incríveis de bandas de rock, como Queen (abriu a sua apresentação com “Bohemian Rhapsody”, raramente era tocada ao vivo), U2, Eric Clapton, The Beach Boys, The Who, Bob Dylan (com os integrantes do Rolling Stones, Keith Richards e Ron Wood), Mick Jagger (chegou a realizar um dueto com Tina Turner) e Paul McCartney.

O local também foi palco para os rappers do Rum DMC, Madonna, Billy Ocean, Sade, Duran Duran, Simple Minds, Wham! (grupo pop do George Michael), Dire Straits e Spandau Ballet. Eles eram o exemplo de artistas que estavam fazendo sucesso naquela época.

Além disso, a solidariedade conseguiu reunir, novamente, bandas separadas, como Boomtown Rats, Black Sabbath com Ozzy Osbourne após a saída do cantor no final da década de 70 e Led Zeppelin, que não tocava desde a morte do baterista John Bonham em 1980. O Deep Purple iria participar, com a formação clássica, porém o guitarrista Ritchie Blackmore recusou o convite.

led zeppelin
Os integrantes remanescentes do Led Zeppelin apresentaram no Live Aid

Outras participações especiais foram os cantores Joan Baez, Cliff Richards e B.B. King. O Live Aid conseguiu que vários artistas que tocaram na Inglaterra fossem fazer shows nos Estados Unidos naquele mesmo dia, graças aos voos fretados.

O festival foi transmitido pela BBC para diversos países da Europa através de transmissões via satélite. Nos Estados Unidos, a programação foi transmitida pela ABC e MTV.

O encerramento na Inglaterra foi com a canção que ajudou a construir o festival, “Do They Know It’s Christmas?” (com todos os artistas participantes), e nos EUA foi ao som de “We Are The World”. 100 mil pessoas assistiram às atrações e Bob Geldolf conseguiu arrecadar em torno de 150 milhões, a partir do resultado direto dos concertos, de telespectadores da BBC e doações individuais.

Artistas reunidos no festival
Artistas reunidos no festival que reuniu mais de 60 artistas

1,5 bilhão de espectadores, em mais de 100 países, viram a apresentação ao vivo pela televisão. Por isso, o dia 13 de julho é considerado o Dia Mundial do Rock.

Ao mesmo tempo aconteceram shows em Melbourne (Austrália), com o INXS e Men At Work e no Japão com artistas locais. 20 anos após a realização do festival, Bob Geldolf produziu um DVD quádruplo, contendo 10 horas de filmagens dessas 16 horas de apresentação e foi lançada no dia 8 de novembro de 2004.

Live 8

Em 2005 foi feito um outro festival chamado Live 8, que reuniu quase os mesmos artistas de 20 anos atrás e os que estavam fazendo sucesso naquela época. O objetivo era intimar os responsáveis pelos países que formam o G8, constituído pelos oito países mais ricos do mundo, a darem mais auxilio, serem justos e liquidar a dívida de países pobres.

Live 8 teve o mesmo sucesso que o anterior e também contou com grandes apresentações,  tipo a do Pink Floyd, com a formação clássica, que não tocava junta desde 1981.  Além das cidades que aconteceram o primeiro festival (com exceção da Austrália), houve apresentações na Itália, Alemanha, Canadá e Rússia.

Foi exibido para 140 canais de televisão e cerca de 400 estações de rádio transmitiram os concertos que também ficaram disponíveis na internet e os organizadores acreditam que cerca de dois bilhões de pessoas assistiram ao Live 8. No Brasil, os shows foram exibidos na antiga MTV Brasil.