Como de costume, as análises do Oscar para O Chaplin são feitas pela nossa editora-chefe Andressa Viera. Mas esse ano n’O Chaplin será diferente: teremos vários textos dedicados a cada categoria. E coube à minha pessoa analisar os indicados a melhor filme, e eu gostaria de agradecer a Academia… Então, quem dos indicados ao 86° Oscar está também escrevendo seu discurso de agradecimento?

Nós temos nove indicados a melhor filme, mas só cinco a melhor diretor. Então quatro filmes já podem perder suas esperanças de vencer a categoria. O que aconteceu ano passado com Argo (o filme venceu a categoria de Melhor Filme, mesmo sem o seu diretor ter sido indicado na categoria Melhor Diretor) foi algo que só se deu três vezes em toda a história da categoria: Asas em 1929 (primeira cerimônia), Conduzindo Miss Daisy em 90 e Argo ano passado, e não esperem que esse ano aconteça de novo.

Capitão Phillips, Clube de Compras Dallas, Ela e Philomena são os filmes que podem dar adeus à disputa de melhor filme. Então, nos restam os cinco indicados à melhor diretor: 12 Years a Slave, Gravidade, Trapaça, O Lobo de Wall Street e Nebraska. Mas além da categoria de melhor diretor, existem duas outras categorias essenciais para vencer melhor filme, elas são edição e roteiro. O Lobo de Wall Street inexplicavelmente perdeu a indicação a melhor edição para Thelma Schoonmaker (que já venceu três vezes o prêmio: Touro Indomável (1981), O Aviador (2005) e Os Infiltrados (2007), todos dirigidos por Martin Scorsese). A última vez que algum longa venceu a disputa por melhor filme sem ter sido indicado a melhor edição foi em 1981 com Gente como a gente, vencendo também inexplicavelmente em cima de Touro Indomável. Então O Lobo provavelmente também dá adeus à disputa pela estatueta principal. Nebraska também falhou em conseguir indicação a melhor edição, então também pode alimentar poucas esperanças. As chances de O Lobo e Nebraska levarem algo para casa são nas categoria de melhor ator (DiCaprio e Dern) e melhor roteiro adaptado para  O Lobo contra 12 Years e original para Nebraska contra Trapaça. Contudo, nem um nem outro são favoritos, a disputa certamente será feia.

Parte do elenco de "Trapaça", indicado em 10 categorias

Parte do elenco de “Trapaça”, indicado em 10 categorias

Gravidade, de Alfonso Cuarón, como eu arrisquei no meu texto de previsões para o Oscar, não conseguiu ser indicado a melhor roteiro. E a última vez que um longa saiu com o prêmio principal para casa sem ter ao menos sido indicado a roteiro foi em 1998, feito de Titanic. Gravidade poderia também se despedir da disputa, mas algo aconteceu. Foram anunciados os vencedores do PGA Awards (Prêmio do Sindicatos dos Produtores), que é o melhor termômetro para a categoria, quem vence o prêmio geralmente vence o Oscar de melhor filme, e foi assim nos últimos seis anos: Argo, O Artista, O Discurso do Rei, Guerra ao Terror, Quem quer ser um milionário e Onde os Fracos não Tem Vez. Todos venceram o PGA e o Oscar de Melhor Filme. Mas esse ano, pela primeira vez, houve um empate: Gravidade e 12 Years levaram o prêmio para casa. As chances de Gravidade diminuíram é claro, mas não estão mortas, principalmente porque é o favorito para levar o prêmio de melhor diretor para casa, vamos esperar o resultado do DGA Awards (prêmio concedido pelo sindicato dos diretores, que é, sem dúvidas, o melhor termômetro para o Oscar) para saber.

Temos ainda 12 Years e Trapaça que faturaram indicações a filme, diretor, roteiro e edição. E Trapaça junto com Gravidade obtiveram 10 indicações, 12 Years ficou com nove, uma a menos. Além disso, Trapaça levou o prêmio de melhor elenco no SAGA (prêmio concedido pelo sindicado dos atores), ele corre por fora na tentativa de barrar os favoritos Gravidade e 12 Years, mas acho muito difícil isso acontecer.

gra

Gravidade conseguiu 10 indicações e é grande concorrente ao prêmio principal

Mesmo com as mesmas 10 indicações, Gravidade e Trapaça ocupam opostos. Gravidade conseguiu indicações em todas as sete categorias técnicas, e é apenas a quinta vez que isso acontece na história do Oscar! Os outros filmes em mesma situação foram: Titanic, O Mestre dos Mares, A Invenção de Hugo Cabret e As Aventuras de Pi.  Mas o longa de Cuarón conseguiu apenas uma indicação nas categorias de atuação, Sandra Bullock em melhor atriz, perdendo pontos. Na verdade, não havia muitas possibilidades em um filme que conta basicamente com dois personagens, sendo que um deles só aparece em meia hora de filme.

Trapaça conseguiu indicação em todas as categorias de atuação, algo que aconteceu outras quinze vezes. Mas o mais impressionante é que o diretor David Russell conseguiu esse feito dois anos seguidos: ano passado foi por O Lado Bom Da Vida, que acabou premiando Jennifer Lawrence como melhor atriz. Embora tenha o apoio dos atores, o longa de Russell só conseguiu uma indicação nas categorias técnicas, melhor edição, assim como seu filme anterior, perdendo alguns pontos também. Parece que a história se repete: esse ano, temos Gravidade como As Aventuras de Pi e Trapaça como O Lado Bom da Vida.

12 Years conseguiu indicações mais homogêneas, faturando duas nas técnicas e três em atuações. Isso dá pontos ao longa do McQueen, que surge como favorito e tem levado diversos prêmios mundo afora, e eu coloco minhas fichas nele, sem dúvidas é o favorito a levar o prêmio na categoria de melhor filme.

Mas As Aventuras de Pi levou a estatueta de melhor diretor ano passado (na minha opinião, o melhor prêmio da noite) sem ter tido nenhuma indicação nas categorias de atuação. Embora enfraquecido na disputa de melhor filme, Cuarón, de Gravidade, pode levar a estatueta de melhor direção para casa. A disputa, contudo, vai ser acirrada com o drama histórico 12 Years A Slave, pois a Academia tem o costume de fazer dobradinha, e como 12 Years é favorito a melhor filme, ele pode levar os dois.

"12 anos de escravidão" é favorito para a categoria principal

“12 anos de escravidão” é favorito para a categoria principal

As melhores chances de Trapaça são na categoria de melhor roteiro original. Como eu coloquei na meu texto anterior, filmes sem muitas chances em melhor filme ou melhor diretor ganham força em melhor roteiro original. Nas ultimas 13 edições, 10 dos vencedores de melhor roteiro original não venceram melhor filme ou diretor, como por exemplo Quase Famosos e Brilho Eterno de Uma Mente sem Lembranças, que receberam pouquíssimas indicações, e Django Livre, que foi ignorado em direção. Então essa é a chance de Russell levar o tão merecido Oscar para casa, vale pela ignorada a Três Reis (David Russell, 1999). Mas além de Nebraska, temos Ela, e nessa categoria tudo pode acontecer.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.