Prêmio Hangar de Música: conheça os indicados para vídeo clipe, música do ano e CD do ano

O Prêmio Hangar de Música de 2014 acontece nesta próxima quarta-feira (19) às 19h30 no Teatro Riachuelo. São 15 categorias que vão premiar os melhores da música potiguar neste ano. A premiação é dividida em duas modalidades: as categorias premiadas pelo júri oficial, que são especialistas da música potiguar, incluindo jornalistas e produtores, e as premiações por júri popular, em que o público vai definir o que mais gostou neste ano. Para começar, a equipe d’O CHAPLIN vai falar de detalhes dos indicados desta 12ª edição, nos mesmos moldes que fazemos com o VMA e Oscar. Vamos iniciar nossa análise com alguns dos indicados que serão definidos pelo júri:

VÍDEO CLIPE:

À Flor da Pele – Valéria Oliveira: É um vídeo sensível e delicado, a interpretação e o clima de boemia do clipe, dirigido por João Marcelino, encaixou perfeitamente no bolero da canção de Clara Nunes, a qual a cantora potiguar interpretou. Foi todo gravado na Avenida Duque de Caxias e dentro do Nalva Café e Salão, ambos localizados no bairro da Ribeira.

A postura e atitude de Valéria Oliveira ao interpretar a canção iguala facilmente com as grandes cantoras do rádio. “À Flor da Pele” faz parte do disco “Em Águas Claras”, que foi uma homenagem à cantora Clara Nunes. Conta com a participação de alguns artistas locais, como Tiquinha Rodrigues, integrante do Rosa de Pedra. A homenagem à cantora mineira no clipe aparece em pequenos detalhes, uma coincidência é que o vestido de Valéria é bem parecido com o que Clara usou nesta perfomance.

Chupa Aqui Meu Picolé – MC Caio de Natal: Para quem não o conhece, MC Caio de Natal faz sucesso com o seu funk e rap. O vídeo tem mais de 11 mil visualizações, cinco vezes mais que o de Valéria Oliveira. O clipe retrata basicamente três dançarinas dançando e Caio cantando a música com um isopor cheio de picolés, perceptível que a produção foi bem caprichada e que ele levou a sério este trabalho. Não deixa MC Catra no chinelo e mostra que o funk subiu para o Nordeste. Ponto positivo para o Prêmio Hangar valorizar este tipo de som, por muitas vezes marginalizado.

Vestígio da Perfeição – Kruyssen: A banda está na estrada há 13 anos e o estilo é rock progressivo, sendo que com letras voltadas ao cristianismo. Em 2009, eles ganharam o Prêmio Hangar na categoria “Melhor Banda Gospel”. O vídeo desta música é dirigido por Yuri Alessandro, que não mostra uma história ou conto, mas alguns elementos que são ligados à letra da canção. Se for analisar, este é um clipe de rock clichê, que mostra cenas da banda tocando junto, solos do guitarrista, aparição única do vocalista, dentre outras coisas.

Mantra – Du Bom Rap: Praia, mar, skate surf e rap foram os elementos principais do clipe do trio Dubom Rap. Foi o clipe que teve a melhor edição de todos os indicados e as cores que foram usadas no vídeo ficaram boas. É também o mais acessado de todos os candidatos, tem quase 70 mil visualizações no YouTube.

Ma Nêga – Artur Soares: O clipe é bem produzido, conta com a participação da atriz mossoroense Tony Silva e da cantora Khrystal (que também está indicada em algumas categorias no Prêmio Hangar desse ano). O que problematizou a música foi este refrão: “Nêga, eu vou te prender/Na senzala iorubá/E o que eu ensinar/Você vai ter que aprender/Porque eu vou te maltratar/Pretinha”.  De uma forma ou de outra, fez com que a música ficasse mais famosa e despertasse a curiosidade das pessoas.  Apesar de Artur negar ser machista ou racista, muitas pessoas criticaram bastante este verso e causou bastante polêmica por conta disso. Foi gravado em Mossoró e Natal e produzido pela galera do Som Sem Plugs. A intenção do clipe era mostrar a beleza da mulher negra, e o fez apresentando vários traços da cultura africana que o Brasil adquiriu.


MÚSICA DO ANO:

Amanhecendo – Igapó de Almas feat. Isaar França (Autor: Pedras): Esta é a segunda faixa do disco “A” e o arranjo é bem elaborado, mistura sintetizadores com percussão. A letra é poética e a voz delicada da cantora pernambucana Isaar França faz com que fiquemos imersos na letra. O primeiro álbum, feito de forma independente, vale a pena ser escutado e foi uma das surpresas da música potiguar em 2014.

Ana Bandolim – Lysia Condé (Compositor: Tico da Costa): Lysia conseguiu alcançar a mesma graciosidade que tem a música de Tico da Costa, falecido em 2009, vítima de um câncer no pâncreas. Ela também colocou os elementos próprios dela nesta interpretação, sem exageros ou firulas. A seguir o vídeo de uma apresentação dela no Teatro Alberto Maranhão:

Politiks – Far From Alaska (Cris Botarelli/Edu Filgueira/Emmily Barreto/Lauro Kirsch/Rafael Brasil): Ao escutar de primeira, a sonoridade de Politiks lembra das bandas vindas do Reino Unido, como Franz Ferdinand, Kaiser Chiefs e Kooks. É a única dos indicados que tem a composição em inglês e fala sobre a importância de lutar por uma determinada causa.

Rei do Povo – Camila Masiso (Alex Amorim/João Henrique Koerig/Vinícius Lins): Uma mistura de Clara Nunes com Vanessa da Mata e Marisa Monte, foi essa a percepção que tive ao escutar o “Rei do Povo”, cantado por Camila Masiso. A canção, que tem uma batida bem brasileira, ficou em segundo lugar do Samsung E-Festival.

Tire Esse Peso das Minhas Costas – Dusouto feat. Artur Soares (Artur Soares/Leto): Com a introdução meio surf music e estilo Jovem Guarda moderna, Dusouto foi indicado na categoria “Música do Ano” e faz parte do álbum “420 Volts”. A autoria é Artur Soares, compositor do “Ma Nêga” que também participa da canção. Diferente da polêmica música,  “Tire Esse Peso das Minhas Costas” é romântica, uma súplica de amor e a voz rouca de Artur soa quase um desespero para que a menina fique com ele.


CD do Ano (Júri Oficial):

Lysia Condé – Lysia Condé: A cantora mineira, mas radicada em Natal, lançou neste ano o seu primeiro álbum e possui interpretações de grandes nomes da MPB, como Chiquinha Gonzaga, Vinicíus de Morais e Fernando Brandt. Também tem regravações de compositores das terras potiguares, como Sérgio Farias e Tico da Costa. Por falar no último citado, a interpretação de Lysia de “Ana Bandolim” está concorrendo o troféu de “Música do Ano”. Outro destaque do álbum é o dueto com Miltinho, do grupo MPB4, no fado “Enigma” e também pela canção “Duerme Negrito”, que ficou conhecido na voz de Mercedes Sosa.

Mode Human – Far From Alaska: Este é o álbum de estreia da banda de rock potiguar, lançado em maio deste ano, que recebeu elogios da imprensa local e internacional, como a revista Rolling Stone. O disco contém 15 faixas, incluindo as quatro canções do EP “Stereochrome”, lançado em 2012. Foi gravado pela Deckdisc e a mixagem ficou por conta do músico Chuck Hipolitho, membro do Vespas Mandarinas. Pode ser escutado na íntegra no site oficial do grupo.

Patuá – Camila Masiso: Camila Masiso começou a carreira cantando clássicos do samba e da bossa nova em Natal. Em  2010, ela lançou “Boas Novas”, com nove canções inéditas. Apenas quatro anos depois veio “Patuá”. O nome vem de um amuleto muito utilizado como forma de proteção e está ligada com a sorte. O álbum contém 11 canções inéditas, com composições de músicos integrantes do Macaxeira Jazz.  As canções que mais chamaram atenção foi “Rei do Povo”, “Morena”, “Confusão” e “Além do Sol”.  A capa, que contou com a pintura do artista plástico Flávio Freitas, tem como inspiração o clipe “Somebody I Used to Know”, de Gotye.

Tonheca Dantas 100 anos de Royal Cinema: Em 2013, a Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte (OSRN), em parceria com o Grupo Vila, realizou um álbum gravando 13 composições do maestro potiguar Tonheca Dantas, uma vez que foi completano o centenário da canção “Royal Cinema”, a mais famosa de Dantas. O disco pode ser escutado a partir do site do Tonheca.

Mestres do Nosso Samba – Coletânea: O CD foi lançado em 2013 e o projeto foi destinado ao resgate da boa música produzida pelos sambistas do bairro das Rocas, considerado um dos redutos potiguares do samba.