O Prêmio Hangar de Música de 2014 acontece nesta próxima quarta-feira (19) às 19h30 no Teatro Riachuelo. São 15 categorias que vão premiar os melhores da música potiguar neste ano. A premiação é dividida em duas modalidades: as categorias premiadas pelo júri oficial, que são especialistas da música potiguar, incluindo jornalistas e produtores, e as premiações por júri popular, em que o público vai definir o que mais gostou neste ano. Para começar, a equipe d’O CHAPLIN vai falar de detalhes dos indicados desta 12ª edição, nos mesmos moldes que fazemos com o VMA e Oscar. Vamos iniciar nossa análise com alguns dos indicados que serão definidos pelo júri:

VÍDEO CLIPE:

À Flor da Pele – Valéria Oliveira: É um vídeo sensível e delicado, a interpretação e o clima de boemia do clipe, dirigido por João Marcelino, encaixou perfeitamente no bolero da canção de Clara Nunes, a qual a cantora potiguar interpretou. Foi todo gravado na Avenida Duque de Caxias e dentro do Nalva Café e Salão, ambos localizados no bairro da Ribeira.

A postura e atitude de Valéria Oliveira ao interpretar a canção iguala facilmente com as grandes cantoras do rádio. “À Flor da Pele” faz parte do disco “Em Águas Claras”, que foi uma homenagem à cantora Clara Nunes. Conta com a participação de alguns artistas locais, como Tiquinha Rodrigues, integrante do Rosa de Pedra. A homenagem à cantora mineira no clipe aparece em pequenos detalhes, uma coincidência é que o vestido de Valéria é bem parecido com o que Clara usou nesta perfomance.

Chupa Aqui Meu Picolé – MC Caio de Natal: Para quem não o conhece, MC Caio de Natal faz sucesso com o seu funk e rap. O vídeo tem mais de 11 mil visualizações, cinco vezes mais que o de Valéria Oliveira. O clipe retrata basicamente três dançarinas dançando e Caio cantando a música com um isopor cheio de picolés, perceptível que a produção foi bem caprichada e que ele levou a sério este trabalho. Não deixa MC Catra no chinelo e mostra que o funk subiu para o Nordeste. Ponto positivo para o Prêmio Hangar valorizar este tipo de som, por muitas vezes marginalizado.

Vestígio da Perfeição – Kruyssen: A banda está na estrada há 13 anos e o estilo é rock progressivo, sendo que com letras voltadas ao cristianismo. Em 2009, eles ganharam o Prêmio Hangar na categoria “Melhor Banda Gospel”. O vídeo desta música é dirigido por Yuri Alessandro, que não mostra uma história ou conto, mas alguns elementos que são ligados à letra da canção. Se for analisar, este é um clipe de rock clichê, que mostra cenas da banda tocando junto, solos do guitarrista, aparição única do vocalista, dentre outras coisas.

Mantra – Du Bom Rap: Praia, mar, skate surf e rap foram os elementos principais do clipe do trio Dubom Rap. Foi o clipe que teve a melhor edição de todos os indicados e as cores que foram usadas no vídeo ficaram boas. É também o mais acessado de todos os candidatos, tem quase 70 mil visualizações no YouTube.

Ma Nêga – Artur Soares: O clipe é bem produzido, conta com a participação da atriz mossoroense Tony Silva e da cantora Khrystal (que também está indicada em algumas categorias no Prêmio Hangar desse ano). O que problematizou a música foi este refrão: “Nêga, eu vou te prender/Na senzala iorubá/E o que eu ensinar/Você vai ter que aprender/Porque eu vou te maltratar/Pretinha”.  De uma forma ou de outra, fez com que a música ficasse mais famosa e despertasse a curiosidade das pessoas.  Apesar de Artur negar ser machista ou racista, muitas pessoas criticaram bastante este verso e causou bastante polêmica por conta disso. Foi gravado em Mossoró e Natal e produzido pela galera do Som Sem Plugs. A intenção do clipe era mostrar a beleza da mulher negra, e o fez apresentando vários traços da cultura africana que o Brasil adquiriu.


MÚSICA DO ANO:

Amanhecendo – Igapó de Almas feat. Isaar França (Autor: Pedras): Esta é a segunda faixa do disco “A” e o arranjo é bem elaborado, mistura sintetizadores com percussão. A letra é poética e a voz delicada da cantora pernambucana Isaar França faz com que fiquemos imersos na letra. O primeiro álbum, feito de forma independente, vale a pena ser escutado e foi uma das surpresas da música potiguar em 2014.

Ana Bandolim – Lysia Condé (Compositor: Tico da Costa): Lysia conseguiu alcançar a mesma graciosidade que tem a música de Tico da Costa, falecido em 2009, vítima de um câncer no pâncreas. Ela também colocou os elementos próprios dela nesta interpretação, sem exageros ou firulas. A seguir o vídeo de uma apresentação dela no Teatro Alberto Maranhão:

Politiks – Far From Alaska (Cris Botarelli/Edu Filgueira/Emmily Barreto/Lauro Kirsch/Rafael Brasil): Ao escutar de primeira, a sonoridade de Politiks lembra das bandas vindas do Reino Unido, como Franz Ferdinand, Kaiser Chiefs e Kooks. É a única dos indicados que tem a composição em inglês e fala sobre a importância de lutar por uma determinada causa.

Rei do Povo – Camila Masiso (Alex Amorim/João Henrique Koerig/Vinícius Lins): Uma mistura de Clara Nunes com Vanessa da Mata e Marisa Monte, foi essa a percepção que tive ao escutar o “Rei do Povo”, cantado por Camila Masiso. A canção, que tem uma batida bem brasileira, ficou em segundo lugar do Samsung E-Festival.

Tire Esse Peso das Minhas Costas – Dusouto feat. Artur Soares (Artur Soares/Leto): Com a introdução meio surf music e estilo Jovem Guarda moderna, Dusouto foi indicado na categoria “Música do Ano” e faz parte do álbum “420 Volts”. A autoria é Artur Soares, compositor do “Ma Nêga” que também participa da canção. Diferente da polêmica música,  “Tire Esse Peso das Minhas Costas” é romântica, uma súplica de amor e a voz rouca de Artur soa quase um desespero para que a menina fique com ele.


CD do Ano (Júri Oficial):

Lysia Condé – Lysia Condé: A cantora mineira, mas radicada em Natal, lançou neste ano o seu primeiro álbum e possui interpretações de grandes nomes da MPB, como Chiquinha Gonzaga, Vinicíus de Morais e Fernando Brandt. Também tem regravações de compositores das terras potiguares, como Sérgio Farias e Tico da Costa. Por falar no último citado, a interpretação de Lysia de “Ana Bandolim” está concorrendo o troféu de “Música do Ano”. Outro destaque do álbum é o dueto com Miltinho, do grupo MPB4, no fado “Enigma” e também pela canção “Duerme Negrito”, que ficou conhecido na voz de Mercedes Sosa.

Mode Human – Far From Alaska: Este é o álbum de estreia da banda de rock potiguar, lançado em maio deste ano, que recebeu elogios da imprensa local e internacional, como a revista Rolling Stone. O disco contém 15 faixas, incluindo as quatro canções do EP “Stereochrome”, lançado em 2012. Foi gravado pela Deckdisc e a mixagem ficou por conta do músico Chuck Hipolitho, membro do Vespas Mandarinas. Pode ser escutado na íntegra no site oficial do grupo.

Patuá – Camila Masiso: Camila Masiso começou a carreira cantando clássicos do samba e da bossa nova em Natal. Em  2010, ela lançou “Boas Novas”, com nove canções inéditas. Apenas quatro anos depois veio “Patuá”. O nome vem de um amuleto muito utilizado como forma de proteção e está ligada com a sorte. O álbum contém 11 canções inéditas, com composições de músicos integrantes do Macaxeira Jazz.  As canções que mais chamaram atenção foi “Rei do Povo”, “Morena”, “Confusão” e “Além do Sol”.  A capa, que contou com a pintura do artista plástico Flávio Freitas, tem como inspiração o clipe “Somebody I Used to Know”, de Gotye.

Tonheca Dantas 100 anos de Royal Cinema: Em 2013, a Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte (OSRN), em parceria com o Grupo Vila, realizou um álbum gravando 13 composições do maestro potiguar Tonheca Dantas, uma vez que foi completano o centenário da canção “Royal Cinema”, a mais famosa de Dantas. O disco pode ser escutado a partir do site do Tonheca.

Mestres do Nosso Samba – Coletânea: O CD foi lançado em 2013 e o projeto foi destinado ao resgate da boa música produzida pelos sambistas do bairro das Rocas, considerado um dos redutos potiguares do samba.

One Response

Deixe um comentário

Your email address will not be published.