Carito Cavalcanti é um dos nomes que mais se destacam no meio cinematográfico potiguar. Cada obra, um tiro. Daqueles que nos tombam a pensar sobre aspectos que já nos inconformavam há um tempo – ou deveriam. “Vida Vaza”, seu filme mais recente, que será lançado nesta quinta-feira, 25, às 19h30 no Mercado de Petrópolis, e certamente figurará em várias exibições públicas daqui pra frente, é, talvez, um dos exemplares mais fortes do acervo de sua obra.

Em uma sinopse crua, para aqueles que gostam de se situar, Vida Vaza “é um documentário experimental sobre as angústias e inquietudes da vida – o existencialismo, a condição da mulher, as possibilidades da arte como instrumento de rebeldia.”

A poeta Michelle Ferret integra o elenco do curta

A poeta Michelle Ferret integra o elenco do curta

O curta-metragem de pouco mais de 11 minutos surpreende por compactar em tão pouco tempo conteúdo tão avassalador. Costurada por protagonismo feminino, a obra é um poético grito social e político que traz, em seu elenco primorosamente selecionado, artistas como Regina Azevedo, Joanisa Prates, Titina Medeiros, Michelle Ferret e a participação da professora e historiadora Leilane Assunção que, pra mim, dita o ritmo do filme e funciona como a voz que nos chama à brutal realidade do que vemos moldado pela arte dos entreatos.

Impossível também não admirar em tela a fotografia que apresenta uma cidade de Natal que parece revelar-se exclusivamente às lentes de Carito; e, como já era de se esperar em um filme do Poeta Elétrico, a trilha sonora de Toni Gregório.

Leila Assunção, historiadora, é destaque na obra

Leila Assunção, historiadora, é destaque na obra

“Vida Vaza” nasceu de uma inquietação do diretor, compartilhada por todos aqueles que ajudaram a compor a obra, e surge apropriadamente como um manifesto sócio-político-cultural a ser relembrado nos autos históricos, em um período de infelizes acontecimentos, em que a loucura da arte, que nunca teve a obrigação de ser sã, me parece a expressão mais sensata.


Ficha Técnica:

CARTAZ_VIDA VAZADireção, Roteiro, Fotografia e Som Direto: Carito Cavalcanti
Edição: Levi Herrera e Carito Cavalcanti
Finalização: Levi Herrera
Trilha Sonora Original: Toni Gregório
Músicas incidentais: Dia Vermelho (Gato Lúdico); A Chave Mestra (Pedro Mendes / Babal – Tradução para o italiano de Franco Maria Jasiello)
Poemas de Ana Mendes, Ayrton Alves, Michelle Ferret, Regina Azevedo e Marize Castro
Narração Final: Marize Castro
Poema Recitado por Leilane Assunção de Marina Tzvietáieva (1934), com Tradução de Augusto de Campos
Imagens do Giradança: Trecho do Espetáculo “A Cura”
Imagens do Holocausto: Shutterstock
Elenco: Ana Mendes, Ayrton Alves, Leilane Assunção, Michelle Ferret, Gato Lúdico, Gira Dança, Regina Azevedo, Joanisa Prates, Rozeane Oliveira, Paula Vanina Cencig, Medeiros Titina, Pedro Mendes
Filmado em Natal-RN em 2015 e 2016; Montado em Natal-RN em 2016
Realização: Praieira Filmes 2016

Deixe um comentário

Your email address will not be published.