Segundo dia do Festival Música Alimento da Alma foi MADA!

Após ser palco de uma Copa do Mundo, a Arena das Dunas também serviu de fonte alimentícia para os esfomeados por cultura. Para isso, o estádio cedeu sua estrutura à 17ª edição do Festival Música Alimento Da Alma (MADA). No embalo das canções românticas do cantor e compositor Nando Reis e do som forte da pernambucana Nação Zumbi, mais de cinco mil pessoas fizeram jus ao nome do evento na noite deste sábado (31).

Apesar do forte apelo musical das duas atrações principais do segundo dia de evento, quem conquistou o coração e o rebolado do público potiguar foi o cantor paraense Felipe Cordeiro. Apresentando um ritmo tipicamente tropical, entre a lambada e o brega, Felipe ressalta que o desejo de tocar no MADA é antigo e se mostra grato à recepção calorosa da cidade. “É a segunda vez que eu venho a Natal e vir ao MADA é de uma preciosidade muito grande. A gente sentiu cada pessoa da plateia conectada com o nosso som, foram 40 minutos bem eletrizantes”, avaliou o cantor.

Surpreendentemente ou não, quem já tinha público cativo em Natal eram os brasilienses da Scalene. A banda que foi revelada no programa Superstars tocou o seu rock por 30 minutos e ouviu o eco da plateia em todo momento do show. O baixista Lucas Furtado manifestou a satisfação de vir ao Nordeste brasileiro e lamenta “pena que não dá pra vir sempre, porque é caro. Mas nós gostamos muito de tocar aqui, o público nordestino em geral é bastante caloroso”.

Presente também no Festival DoSol de 2014, o baixista diz ter adorado a cidade e que há o desejo de voltar “Nós somos apaixonados por Natal, amamos o Far From Alaska! A gente se diverte sempre que vem, queremos voltar próximo ano”. Para 2016 há planos ambiciosos de continuar crescendo a partir do sucesso alcançado neste ano, lançando novo material e fazendo novas parcerias. Mas por enquanto nada pode ser revelado pra não perder a graça, brinca Lucas.

Nada tira, porém, o brilho da “batida do mangue” da Nação Zumbi que agitou o MADA com os clássicos “Maracatu Atômico” e “Quando a Maré Encher” além de outros hits lançados no último álbum, em 2014, que leva o mesmo nome da banda. Assim como a atmosfera romântica que Nando Reis & Os Infernais trouxeram com os sucessos “All Star”, “N” e “Por Onde Andei” que embalaram os mais diversos casais.

Também compuseram o lineup do MADA e fizeram valer a noite os potiguares de Luisa e os Alquimistas, Agregados e Camarones Orquestra Guitarrística. Além dos baianos d’O Liberato, os paulistas da Moxine e os cearenses da Rivera. O festival, que está a um ano de se tornar maior de idade, se consagra no cenário cultural potiguar revelando músicos locais e nacionais e assim, saciando um pouco da fome espiritual que promete alimentar.