Chegou o momento de falar sobre ela, que é a referência das sitcoms, o recorde de audiência da TV americana e a série mais assistida de todos os tempos: FRIENDS! Nunca escondi o quanto sou fã da série. Acho que conheço todos os detalhes das dez temporadas, sendo assim, para não entediar ninguém, vou tentar fazer um “resumo resumido” de alguns dos principais e melhores pontos da série (principalmente para os que estão conhecendo agora).

Antes de falar qualquer coisa, é preciso relembrar quem são esses seis amigos: Joey Tribbiani (Matt LeBlanc), Chandler Bing (Matthew Perry), Ross Geller (David Schwimmer), Mônica Geller (Courteney Cox), Rachel Green (Jennifer Aniston) e Phoebe Buffay (Lisa Kudrow). Embora passem uma fase bem específica juntos (aproximadamente dos 23 aos 33 anos),  quase todos possuem uma ligação que vai além dessa fase. Mônica e Ross são irmãos e eram vizinhos de Rachel. Chandler foi colega de quarto de Ross na faculdade e Joey divide apartamento com Chandler. Sobre como Phoebe entrou no grupo, ninguém explica, mas desde o primeiro episódio, os cinco (sem Rachel) já eram amigos e estavam tomando café e conversando sobre suas vidas (como se deu durante toda a série) até que Rachel entra vestida de noiva e completa o grupo dos seis. Naquele mesmo café (Central Perk), as principais emoções da série foram vividas: namoros começaram e acabaram, reencontros aconteceram, grandes brigas e pequenas discussões surgiram e, claro, os momentos de descontração e fortalecimento da amizade.

 

 

Citarei três momentos marcantes (e de maior audiência) da série:

O primeiro beijo de Ross e Rachel: Desde o início é notória a paixão que Ross sente por Rachel. Aos poucos vamos descobrindo que esse sentimento nasceu desde os tempos de colégio. O casal vai tornando a amizade mais íntima e Rachel começa a também sentir-se atraída por Ross. Houve um “pré-beijo” (na lavanderia) mas o momento principal foi no Central Perk, após uma briga dos dois (por causa do namoro entre Ross e Jully). Quando Ross volta para se desculpar, eles acabam se beijando e protagonizando um dos beijos mais comentados da TV. Pouco tempo depois, os dois começaram a namorar.

 

 

“We were on a break”: Essa frase foi repetida milhares de vezes por Ross. Eu explico: Ross e Rachel acabaram o namoro por causa do eterno ciúme de Ross pelo colega de trabalho de Rachel (Mark). Depois de uma série de brigas e situações cômicas (como um Barbershop Quarter cantando no escritório), Rachel resolve acabar o relacionamento e, na mesma noite, Ross dorme com outra mulher. Para se justificar, o rapaz usa a desculpa de que eles estavam dando um tempo (“we were on a break”), sendo assim, não houvera traição. Essa também é uma das cenas tristes da série: Enquanto o casal briga na sala, os outros quatro estão no quarto de Mônica e ouvem toda a briga.

O nascimentos dos trigêmeos: Phoebe foi abandonada pelo pai quando criança, sua mãe cometeu suicídio e sua relação com a irmã, de caráter duvidoso, não é muito presente (aliás, Úrsula, a irmã gêmea de Phoebe, é um personagem “reaproveitado” de outra série) e, quando adulta, descobre com sua avó (com quem vive), o paradeiro do seu pai. Não consegue encontrá-lo (não nesse momento) mas descobre que tem um irmão (Frank Junior) e acabam ficando muito próximos. Tão próximos que, quando Frank se casa com Alice, eles pedem para Phoebe ser sua “barriga de aluguel”. É entre a metade da quarta temporada e o começo da quinta que Phoebe passa grávida (aproveitando também a gravidez da atriz Lisa Kudrow). No início da quinta temporada, Phoebe dá a luz aos três bebês (Frank Junior Júnior, Leslie e a pequena Chandler – hahaha). Apesar de ser um momento triste para a moça, que precisa entregar os bebês aos pais (embora ela ainda tente ficar com um deles), é também um momento muito bonito, onde a personagem mostra o quanto é sensível, bondosa e ama o irmão e os sobrinhos.

 

Muitos e muitos outros momentos poderiam ser lembrados: O casamento de Ross em Londres. O emprego de Mônica numa lanchonete “temática”, os vários testes e trabalhos de Joe como ator, as tradicionais ceias do feriado de Ação de Graças (numa delas, o ator Brad Pitt, na época namorado da Jennifer Aniston, aparece como um “ex gordo” que era o melhor amigo de Ross e odiava Rachel),  todos os episódios em que Mônica e Chandler tentam esconder o namoro (e o pedido de casamento perfeito do casal), o nascimento de Emma (filha de Ross e Rachel), o casamento de Phoebe e Mike… enfim, são infinitos momentos incríveis distribuídos em dez temporadas.

De tão amada, até hoje os fãs clamam e imploram por uma continuação, ou um filme, ou mesmo uma reunião do elenco. Infelizmente, isso parece um sonho impossível. Alguns deles já afirmaram que não aceitam um reencontro (não que haja algum problema entre eles. Pelo contrário, todos continuam muito amigos e sempre fazem pequenas participações uns nas séries dos outros). Vez ou outra aparece uma nota na internet falando desse reencontro e dessa possibilidade, mas, acreditem, é balela.

 

 

Aliás, semana passada saiu mais uma matéria desmentindo os boatos de uma continuidade da série. A matéria era uma entrevista com a criadora da série, a Marta Kauffman. Nela, a escritora afirma veementemente que não haverá uma continuação, porém, o que mais me chamou a atenção na entrevista, foi uma frase que ela falou e que traduz todo o sentimento de FRIENDS. Dizia mais ou menos que: “Friends trata daquela fase em que os amigos são sua verdadeira família”. E é exatamente isso! Embora os personagens ainda tenham seus familiares (que eventualmente são lembrados, como pais, irmãos, avós…), a série passa, além do humor, o valor e a importância da amizade verdadeira para se superar uma fase em que somos obrigados a tomar decisões, ter responsabilidades, fazer escolhas e, afinal, ser adultos. É um momento de transição importantíssimo para qualquer um. Tudo é novo! Toda decepção é terrível, todos os medos surgem de uma só vez e quem está do nosso lado acaba fazendo parte desse momento. É como fala na letra da abertura (que, se você prestar bem atenção, é de arrepiar): “So no one told you life was gonna be this way. Your job’s a joke, your’re broke, your love life’s D.O.A. It’s like you’re always stuck in second gear, when it hasn’t been your day, your week, your month, or even your year, but… i’ll be there for you…” 

 

 

Talvez essa ideia de amizade tenha sido tão bem passada, principalmente, pela maneira como o elenco se tratava e se dava bem. Todos eram amigos dentro e fora dos estúdios e, como já falei em outra postagem, até seus salários eram iguais e a importância de seus personagens na série eram equivalentes. Tudo para lembrar que ninguém era melhor que ninguém. Eram todos amigos e não se importavam em dividir a atenção ou o estrelato.

P.S.: Como falei no início, isso tudo é apenas um resumo das coisas mais interessantes da série (e mesmo assim, ainda ficou um resumo bem grande, hein? Hehehe). A internet está recheada de sites, matérias enormes, detalhes e, enfim, muito material sobre Friends. É caso para um livro (se é que já não há um). E, podem ter certeza, quando mais se assiste (e se descobre) sobre a série, mais legal ela fica. Não entrei em detalhes sobre os personagens porque este é um plano para o futuro. Quero fazer um “antes, durante e depois” de cada ator da série, então, aguardem! 

 

2 Responses

  1. Wendell M. Alves da Costa

    Comecei a assistir por curiosidade, pois sempre vi comentários sobre a série…

    Há um mês dei início e já estou na quarta temporada. É sempre muito bem escrita, e os atores são ótimos, em perfeita sintonia.

    Dei uma olhada no seu texto, mas já percebi alguns spoilers, então vou lê-lo quando terminar de ver toda a série.

    Abraços

    Responder
  2. Wendell M. Alves da Costa

    Terminei a 10° temporada hoje de madrugada, assistindo seguidamente os 12 episódios finais, e o resultado é evidente… a série tem o melhor texto e os melhores atores de todas as sitcoms americanas.

    A última cena é mágica: optaram por ser simples e marcante. E assim o foi!

    A melhor personagem feminina pra mim é Phoebe e o masculino é Ross.

    Agora é só rever, e rever e rever…

    Abraços.

    Responder

Deixe um comentário

Your email address will not be published.