Apesar de ter morrido como uma das escritoras de romances policiais mais bem sucedidas do mundo, Agatha Christie tinha uma receita de bolo pronta, responsável por dar à luz a sua mais de uma centena de livros publicados. Para os leitores mais treinados, era comum identificar semelhanças no método da autora e, consequentemente, reconhecer antes do final da obra o responsável pelo crime. Contudo, vez ou outra, “a rainha do crime” ainda consegue nos surpreender e uma das suas marcas, certamente, é a imprevisibilidade. Arrisco-me a dizer que um história de investigação policial, seja ela transcrita nos livros ou em película, só é válida se esta for uma característica presente: o imprevisto. Afinal, de que adianta acompanhar um enredo alucinante de cujo desfecho já se tem conhecimento?

Setimo_cena_01

Essa introdução se fez necessária para justificar o insucesso do filme argentino “Sétimo” (Patxi Amezcua, 2014), protagonizado pelo tarimbado Ricardo Darín. Tive a oportunidade de assistir à obra no Festival do Rio, em setembro deste ano, e saí desapontada com uma representação tão fraca do cinema latino-americano, que vem surgindo com tantos filmes marcantes.

21043737_20130925113620197A história começa quando um pai apressado, Sebastián (Ricardo Darín), vai buscar seus filhos, Luna (Charo Dolz Doval) e Luca (Abel Dolz Doval), na casa da ex esposa (o casal está recém saído de um divórcio) para levá-los à escola. Mesmo atrasados, o pai cede à insistência dos filhos para que coloquem em prática uma brincadeira comum entre o trio: os filhos descem os sete andares pela escada e o pai pelo elevador, quem chegar primeiro ao térreo ganha a disputa. Sebastián não contava, porém, com o fato de que seus filhos nunca chegariam à portaria do prédio, e a partir daí começa a busca de um pai desesperado que se sente culpado pelo desaparecimento de suas crias.

"SÉPTIMO" Ikiru FilmsApesar de só contar com menos de 1h30 de duração, a impressão que fica é que é tempo demais para um roteiro tão vazio. O filme é sustentado por cenas de Ricardo Darín correndo por todos os lados, burlando regras e desafiando conhecidos, amigos e inimigos para encontrar seus filhos. Contudo, não há uma história realmente convincente por trás do desaparecimento, além da obviedade na descoberta do responsável pelo ato.

Mesmo em meio a uma trama tão fraca, Ricardo Darín destaca-se com uma boa atuação. Belén Rueda, que interpreta a mãe, Delia, apresenta-se em um papel apático e não convence. Depois de Darín, a dupla de crianças são os atores de mais presença em cena, e trazem algum ânimo ao filme.

21043743_20130925113621869

“Sétimo” é um filme forçado, uma tentativa mal sucedida de uma trama policial pouco elaborada. Apesar disso, as câmeras agitadas e o clima tenso conseguem prender a atenção pelo pouco tempo de película, sempre na espera – frustrada – de que algo interessante aconteça. Uma obra destoante diante da grande quantidade de bons filmes produzidos nos últimos tempos na terra de Kirshner.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.