'The Flash' acerta ao apostar na mesma fórmula da primeira temporada
9Nota Total
Nota do leitor: (0 Votes)
0.0

Em outubro do ano passado, o homem mais rápido das séries retornou às telas da TV em sua tão aguardada segunda temporada. Os novos episódios estão sendo exibidos na Warner Channel, sempre às segundas-feiras na faixa das 22h30. A primeira temporada completa está disponível na Netflix que, em breve, disponibilizará também a segunda temporada da série.

Os novos capítulos de The Flash podem ser divididos em duas partes: a primeira, logo no começo da série, inicia-se meses depois da abertura da fenda dimensional causada pelo paradoxo temporal de Eddie com seu futuro parente Eobard ou Flash Reverso. A trama da primeira parte mostra o que aconteceu com alguns personagens coadjuvantes que apareceram na temporada anterior, como Barry/The Flash (Grant Gustin), Caitlin (Danielle Panabaker), Cisco (Carlos Valdes), Iris West (Candice Patton) e seu pai Joe West (Jesse L. Martin). Também retrata as fragilidades emocionais de cada um logo após o acontecido. As atuações de todos os personagens foram notáveis, mantendo a excelência na primeira temporada.

Na “segunda parte”, é apresentado um novo conceito muito característico no universo do velocista escarlate e também nos quadrinhos da DC Comics: os multiversos. Mas o que seriam os multiversos? O multiverso é o conjunto de diferentes universos, onde são apresentados diferentes versões de personagens.

O texto a seguir contém spoilers!

Nesta temporada, há apenas uma interação entre a Terra-1 (onde se passa a recorrente história da série) e a Terra-2, de onde vem o grande vilão da temporada, Zoom, simplesmente implacável e cruel com seus inimigos. Por razões puramente malignas e egocêntricas, ele se torna um ditador em seu planeta e um conquistador cruel de outros universos apenas para se tornar um ser cada vez mais rápido. Ele é quem dita toda esta segunda parte da temporada. Em seguidos episódios, fomos apresentados cada vez mais ao vilão. Também foi ficando cada vez mais claras suas intenções com Barry.

A segunda temporada de The Flash nos mostrou o leque de vilões e possibilidades futuras que o herói possui, tanto na TV quanto no cinema futuramente. Além disso, esta temporada serviu para introduzir novos personagens que deverão ser melhor desenvolvidos em outras séries da DC, como a Mulher-Gavião, que apareceu por alguns episódios juntamente com Vandal Savage, vilão da nova aposta do canal CW, a série Legends of Tomorrow. Além disso, teve um saudoso crossover – encontro de personagens de duas diferentes histórias – com a série Arrow e a junção dos universos de Flash e o de Supergirl, o que agradou e surpreendeu bastante os fãs de ambas as séries.

Tubarão-Rei na série

Tubarão-Rei na série

O personagem central, Barry/The Flash, nesta temporada, teve pouquíssimos pares românticos, diferente da temporada anterior. O super-herói passou por mudanças bruscas em diversos episódios, mostrando ser um herói mais maduro por um lado, mas, por outro, demonstrando ser infantil e um tanto egoísta em suas atitudes em outros momentos. Ainda analisando personagens, Wally West, filho de Joe West, introduzido lá pelo final da primeira temporada, merece destaque. Sua presença na série ficou mais sólida, ganhando destaque e finalmente com uma trama desenvolvida, apesar dos diversos tropeços em questão de narrativa e interação com os demais personagens.

Quanto aos aspectos técnicos, a fotografia e a direção de continuaram tão bons quanto na primeira temporada. O salto de qualidade, porém, aconteceu com a direção de arte e os efeitos especiais, principalmente os relacionados a Zoom, à Terra-2 e à cena em que há efeitos de raios na corrida de ambos os velocistas.

Então, se você curte conceitos de física, viagens no tempo e surtar com cenas bem construídas, a segunda temporada de The Flash é um programa perfeito pra grudá-lo no sofá da sua casa.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.