“Empty spaces – what are we living for
Abandoned places
I guess we know the score
On and on, does anybody know what we are looking for…”

O show se iniciou em 5 de setembro de 1946, na colônia britânica Cidade de Pedra, em Zanzibar. Ninguém sabia o resultado. Nascia ali um das maiores astros do rock e também uma das vozes mais marcantes que o mundo ouviu. Farrokh Bulsara despertou interesse pela música desde muito cedo, tendo montado a sua primeira banda aos 12 anos de idade.

Mudou-se junto com a família para Londres aos 17 anos. Lá ele se formou e trabalhou como vendedor de roupas e atendente. Foi em Londres, em 1970, ao lado de Roger Taylor e Brian May, que Farrokh montou a banda Smile, passando a ser chamada de Queen, da mesma maneira que Farrokh Bulsara passou a ser Freddie Mercury.

“Another hero?”

hero

Para muitos, Freddie Mercury com certeza foi um herói de sua época. Um ídolo que possuía uma presença de palco assombrosa e um imenso poder sob a plateia. Freddie tinha um grande carisma, que juntado com seu enorme talento, fez com que o número de fãs aumentasse cada vez mais com o passar dos anos.

“Another mindless crime?”

O Queen, sem sombra de dúvidas, foi um crime impensável; até mesmo para os participantes do grupo. Brian May certa vez declarou em uma entrevista: “Porque nós éramos apenas garotos – e não parece que foi há muito tempo – tínhamos sonhos e ideias de que poderíamos fazer algo que ninguém nunca tinha feito, sair e conquistar o mundo. E de alguma forma aconteceu. Onde quer que eu vá, da Mongólia ao Timbuktu, as pessoas conhecem nossas músicas. É incrível. Eu me sinto muito, muito feliz. É como uma espécie de sonho, realmente.“

“Behind the curtain, in the pantomime
Hold the line, does anybody want to take it anymore”

freddie

Mercury tinha um apreço grande por música erudita e ópera, também era amante das artes plásticas e do teatro. É possível ver esse lado de astro em alguns dos clipes da banda, onde fica evidente a influência artística que o cantor possuía.

Em “Bohemian Rhapsody”, Freddie demonstra toda sua criatividade e genialidade para música. O single inova ao fazer mudanças repentinas de estilo, tom e andamento. A musicalidade da canção mostra as influências de Freddie, como a ópera e a balada.

Outro detalhe importante é que a tonalidade da música e letra da música se complementam. O enredo de “Bohemian Rhapsody” é um tanto confuso, devido ao fato de que parece mudar juntamente com arranjo da música. A canção merece todo o mérito que possui, justamente por ser uma obra prima do Queen, que conseguiu inovar com essa composição ousada.

“Whatever happens, I’ll leave it all to chance
Another heartache, another failed romance
On and on, does anybody know what we are living for?

Sem título

Freddie Mercury era bissexual, possuiu vários amantes. Em 1985 estabeleceu um romance sério com Jim Hutton (Foto da esquerda), com quem viveu até sua morte. Outra pessoa que foi muito importante na vida de Freddie foi Mary Austin (Foto da direita), com quem ele viveu sete anos. Austin manteve-se próxima de Mercury até ao fim da vida e herdou a maior parte da fortuna do artista, ele dedicou à ela a sua famosa canção “Love of My Life”.

“I guess I’m learning…
I must be warmer now
I’ll soon be turning
Round the corner now
Outside the dawn is breaking
But inside in the dark I’m aching to be free”

Freddie foi um dos principais compositores do Queen, ao lado de Brian May. É responsável por grandes sucessos como “Crazy Little Thing Called Love“, “Don’t Stop Me Now“, “Bohemian Rhapsody“, “Somebody to Love“, “Love of my Life” e “We Are the Champions“, que é considerada um dos hinos do Rock.

Devido à diversidade de seu gosto e de sua influência musical, Mercury fazia composições bastante ecléticas, variando sempre. Em uma entrevista de 1986, Freddie declarou: “Eu odeio fazer sempre a mesma coisa. Gosto de conhecer as novidades da música, do cinema e do teatro, e então, usar tudo isso.

“My soul is painted like the wings of butterflies
Fairytales of yesterday will grow but never die
I can fly – my friends”

mercury

Freddie Mercury foi diagnosticado soropositivo em abril de 1987, mas decidiu negar todos os boatos sempre que questionado.

Em seu livro de memórias, intitulado “Love Is The Cure“, Elton John relatou: “Ele manteve as aparências, continuou tocando com o Queen e permaneceu sendo a mesma pessoa engraçada, ultrajante e profundamente generosa que sempre foi.

Freddie acabou chegando a um estado de dar dó no final dos anos 1980 e início dos anos 90, era difícil suportar vê-lo daquele jeito. Partiu meu coração ver esta luz absoluta para o mundo devastada pela Aids. No final, seu corpo estava coberto com sarcoma de Kaposi. Ele estava quase cego e fraco demais para sequer ficar em pé.”

“I’ll face it with a grin
I’m never giving in
On – with the show
[…]
Ooh, I’ll top the bill, I’ll overkill
I have to find the will to carry on”

Em 1991, totalmente recluso, Freddie era vítima constante do assédio de repórteres, que cercavam sua casa e não iam embora durante dias para conseguir uma foto sua, que estava com uma horrível aparência por causa da sua doença. Uma foto do rosto de Freddie, magro e com manchas negras, estampou uma edição do The Sun na matéria “É Oficial: Freddie Está Gravemente Doente”, que foi a edição de jornal mais vendida no ano no Reino Unido.

Em 14 de outubro de 1991, o Queen lançou a balada “The Show Must Go On”, escrita por Brian May, a canção narra o esforço de Freddie Mercury em continuar a gravar e cantar apesar da aproximação do fim de sua vida. O artista estava morrendo de complicações relacionadas à AIDS, embora sua doença ainda não tinha sido tornada pública.

Em 22 de novembro, um mês após o lançamento da canção, Freddie chamou o empresário do Queen, Jim Beach, e pediu que ele fizesse um comunicado a imprensa para divulgar sua doença, que foi lançado no dia seguinte. Cerca de 24 horas, após o comunicado ser feito, Freddie faleceu vítima de broncopneumonia, acarretada pela AIDS.

Seu funeral ocorreu em Londres três dias depois, assistido por 35 pessoas, incluindo a família de Freddie, os membros e o empresário do Queen, Mary Austin, Jim Hutton e poucas outras pessoas.

fm

Freddie Mercury foi um dos maiores artistas que o mundo. Dono de um carisma envolvente, de uma presença de palco gigantesca, de um talento imensurável, e principalmente, dono dos corações de milhões de fãs. Freddie tinha uma fortuna, não de dinheiro, mas de personalidade. E talvez, tenha sido isso que fez com que ele se sobressaísse dentre tantos outros cantores. Polêmico e extravagante, ele não tinha medo de ousar. E foi com esse jeito singular de ser, que ele conseguiu dominar o cenário musical e fazer com que o reinado do Queen, seja eterno – “God Save the Queen… And Freddie Mercury too”.

“The show must go on
The show must go on, yeah
Inside my heart is breaking
My make – up may be flaking
But my smile still stays on”

Deixe um comentário

Your email address will not be published.