Um novo olhar sobre a Ribeira

Berço dos já crescidos MADA e Festival DoSol, os 20 anos de ocupação da Ribeira, um dos bairros que compõem o centro histórico natalense, traz nos braços sua mais nova cria: o Festival Ribeira 360º. Se a recém saída do DoSol deixou dúvidas quanto à ocupação do bairro, o público presente nos 2 dias do mais novo evento do bairro esclareceu que a música não deve deixar o local.

Como já foi dito na matéria do primeiro dia do festival, é a primeira vez que um festival natalense traz um line-up exclusivamente potiguar nos mais variados ritmos. Na noite de domingo, foi a vez do raagamuffin do MC Priguissa, do indie do Fettutines e o grindcore do Expose Your Hate. Todos tocaram em um só espaço, misturando os mais diferentes públicos e revelando a riqueza da cena musical do estado.

Público prestigia a segunda noite de shows do Ribeira 360° | Foto: Paulo Fuga

O primeiro show – o ragga do Priguissa – comprovou porque o cantor já tem lugar cativo na noite natalense e foi um ótimo esquenta para o resto da noite. Em seguida, Rosa de Pedra se apresentou com a participação de Isaque Galvão, fazendo as pessoas dançarem com sua música frenética e alegre. No entanto, o momento épico da noite (e para o qual ninguém estava preparado) foi quando a banda Dusolto convidou a banda Grafith para tocarem, juntos, Another Brick in the Wall, do Pink Floyd. A música seguiu noite adentro com o punk irreverente da Joseph Little Drop e a aclamada Mahmed, bandas novas, mas já com um grande público.

Houve, porém, alguns poréns. A qualidade do som pecou, principalmente nos espaços fechados, atrapalhando o desempenho de algumas bandas. Além disso, os horários das apresentações não foram cumpridos; portanto, os shows começaram atrasados. Erros que prejudicam, mas que podem ser perfeitamente reversíveis numa próxima edição.

Um dos pontos altos da segunda noite do Ribeira 360° foi o encontro das bandas Dusolto e Grafith. | Foto: Paulo Fuga

Mais do que um momento de cultura e lazer, o Ribeira 360º mostrou que a música potiguar tem muito a oferecer, e esse é só o começo. Que venham mais!