“Uma pergunta por dia” é uma terapia diária

Dizem que o tempo muda as coisas, mas é você quem tem que mudá-las.

Andy Warhol

Você até costumava ter um diário. Mas o tempo passou, os compromissos se aglomeraram, a rotina arrebatou sua inspiração, o tempo se tornou escasso. Você começou a se repetir – isso quando escrevia, nem sempre lembrava. A atividade se tornou monótona e sem propósito. E eis então o trágico fim de um hábito imensamente benéfico.

É pensando no valor de parar, nem que seja por dois minutos, para refletir sobre pequenos (ou grandes) aspectos da vida, se autoavaliar e reconhecer sua evolução no decorrer dos anos que a Editora Intrínseca teve a apaixonante ideia de lançar, no ano passado, o livro “Uma Pergunta Por Dia”. Na verdade, o termo mais correto talvez fosse caderno de notas, ou mesmo o clássico “diário”. Trata-se de uma proposta de 365 perguntas, uma por dia do ano. No entanto, as respostas são multiplicadas por cinco, uma vez que cada pergunta traz espaço para cinco respostas diferentes.

Uma pergunta por dia convida você a registrar suas respostas a uma variedade de questões, das mais simples às mais complicadas, como “Para onde você quer fazer sua próxima viagem?” ou “Escreva a primeira linha da sua autobiografia”.

O livreto tem um design bonito e compacto, do tipo que não se torna um problema se você quiser carregá-lo na bolsa ou na bagagem de mão em uma viagem. Assim, ao final do dia, você escolhe ser surpreendido com uma pergunta diferente sobre um aspecto aleatório da sua vida. Um desafio de autoconhecimento e uma autoterapia diária.

É possível que você esqueça de abrir o seu diário algum dia. Não tem problema. O bom de “Uma Pergunta por Dia” é que os cinco anos podem se transformar em seis, sete, dez. O importante é que responder cada pergunta não se torne uma obrigação, mas um sentimento de cuidado com suas atitudes, hábitos e sua essência.

Excelente dica de presente ou autopresente para o novo ano que se inicia! 😉