'Warcraft - O Primeiro Encontro de Dois Mundos': dos games para o cinema
9Nota Total
Nota do leitor: (1 Voto)
10.0

Warcraft – o Primeiro Encontro de Dois Mundos estreou nos cinemas do Brasil inteiro no dia 2 de junho. E a ansiedade dos fãs do jogo é evidente. O filme narra justamente dois lados: a Horda que une os Orcs a saírem de seu mundo, já destruído, rumo ao planeta dos humanos e tantas outras espécies para conquistá-lo; e a Aliança, que depois de anos de paz entre os reinos, recebem o ataque da Horda.

A Horda é liderada por Gul’Dan (Daniel Wu) com a ajuda da avareza, uma força maligna pela qual o portal que dá acesso ao mundo dos humanos é abero. Dentro da Horda existem diversos clãs que tem por si os sub-líderes. O principal deles, Durotan (Toby Kebbell), chefe do clã “Lobos do Gelo”, não concorda com as escolhas que Gul’Dan pretende para sua raça. Já na Terra, o outro lado chamado de “A Aliança”, é governado por Llane Wyrnn na cidade de Ventobravo. Com ele, existe um Guardião, Medivh, que é um mago que protege o reino de forças malignas, como demônios e raças das trevas.

Orcs contra humanos, o vasto mundo de Warcraft é bem explorado em suas mais de 2 horas de filme. Sem delongas, somos logo apresentados aos reinos, aos principais personagens que vão compor a película e também às suas motivações. Ao decorrer do filme, tais personagens vão sendo apenas desenvolvidos no roteiro e direção de Duncan Jones, que faz um belo trabalho com o filme, colocando o tom de tensão e comédia em níveis variados que o equilibram como um todo.

Quanto à fotografia, vale notar que as cenas de batalha são espetaculares. A movimentação dos Orcs e jogo de armas no ar e todos os golpes são bem organizados, mostrando que houve um trabalho efetivo na coreografia das lutas. Entretanto, o filme tem a sua maior maestria nos efeitos gráficos: as mágicas, os Orcs e tantas outras criaturas que surgem durante o filme como elfos e anões são de uma perfeição incomparável, tornando evidente o amor que Ducan, jogador de longa data, colocou no filme. 

Outro aspecto notável de Warcraft é a trilha sonora. Logo de ínicio, os espectadores são recebidos por uma orquestra entoando uma música aventuresca da época medieval, possível claramente de ser comparada com as trilhas clássicas de O Senhor dos Anéis e a recente de Game Of Thrones.

Warcraft-The-Beginning-Poster-01As atuações do filme são razoáveis, já que a maioria dos personagens são compostos por CGI (Computer Graphic Imagery). No entanto, a dublagem e movimentação –  feita por captura de movimento – são agradáveis e suaves aos olhos do público.

Ainda há, na ambientação do filme, várias referências ao game de origem e também a outros jogos da Blizzard. Observamos que, no começo do filme, a Tracer do game Overwatch aparece, assim como alguns lacaios do game Hearthstone com suas tradicionais dublagens. Todo o enredo do filme é ambientado dentro do Warcraft 3, game que deu origem ao famoso Dota 2 da Valve, e isso cria uma conexão bem interessante aos fãs do game.

A partir de todos os aspectos citados acima, Warcraft é, oficialmente, a primeira obra baseada em um game que tem condições de dar certo na Sétima Arte. Além de bom cinematograficamente, o filme entrega o que os jogadores querem e apresenta muito bem aos espectadores que não conhecem o jogo um mundo com diversas possibilidades de exploração. Para estes, Warcraft com certeza vale a pipoca.

Confira o trailer do filme a seguir:

Deixe um comentário

Your email address will not be published.