Não é a primeira vez que resolvo falar sobre um documentário. Adoro esse gênero cinematográfico: direto e objetivo, sem muitas firulas. A temática não é uma novidade, mas ainda assim, muitíssimo interessante. “Não gosto dos meninos” traz uma boa semelhança com “Leve-me pra sair” (já falado aqui em outro momento – se não viu, veja!). Ambos falam sobre a descoberta da sexualidade, os primeiros instintos, medos, reações, preconceitos, e, claro, a aceitação do que se é.

 

O curta de André Matarazzo e Gustavo Ferri conta a história de 40 pessoas, passando por momentos “antes”, “durante” e “depois” da descoberta e vivência da sexualidade (confira aqui). Os momentos narrados são os mais diversos: alguns lembram a reação dos pais (que nem sempre são as mais positivas), outros relatam reações de amigos e muitos contam histórias tristes e experiências fortalecedoras durante esse período. O subtítulo “Histórias que gostaríamos de ter visto antes” mostra claramente a ideia principal do curta: lembrar como, no começo, tudo pode ser péssimo, assustador e complicado, mas que, aos poucos, todos são sobreviventes contando suas histórias. São adultos que passaram por uma fase difícil (neste caso, o fato de descobrirem-se homossexuais) mostrando que, apesar do medo, preconceito e de tudo de ruim que aconteceu, com o passar do tempo, as coisas melhoraram.

Quem quer aceitar algo que, por si só, já traz tantos problemas, logo na adolescência (que é o caso da maioria), uma fase tão complicada e conturbada? Felizmente, nos dias atuais essa questão já não é tão difícil quanto há alguns anos. Apesar dos Felicianos e Bolsonaros mundo a fora, ser gay hoje em dia não é o tabu que um dia já foi, embora ainda seja um longo e complexo caminho de amadurecimento e conhecimento pessoal, com interferência de “valores” ainda muito enraizados na nossa cultura.

 

Ressalto que o curta foi inspirado na campanha internacional “It Gets Better” feita pela Pixar Animation Studios. A campanha é muito bonita (e também é extremamente recomendada) e possui o mesmo objetivo de Não Gosto Dos Meninos: falar da descoberta sexual, dos problemas e da vida que todos os homossexuais em questão tiveram e lembrar que, apesar dos problemas que possam ter acontecido, as coisas melhoram, ou it gets better.  

Todos os casos aqui citados são alguns exemplos de histórias maravilhosas e vidas incríveis que não podem deixar de ser contadas e recontadas, principalmente num momento como este, em que alguns valores começam a ser completamente distorcidos e a religião (ou alguns religiosos) tenta sobressair diante da política. Leve-me pra sair, Não gosto dos meninos, It gets better e muitos outros documentários estão aí para mostrar que todos somos normais, independente da sexualidade (ou cor, ou raça, ou sexo) e que isso não diminui (nem engrandece) ninguém. Todas as minorias querem apenas a vida justa igualitária que lhes é de direito. 

 

Pra quem quiser ver esse e muitos outros curtas ou filmes legais de temática GLS, venha aqui, um canal muito bacana no YouTube com vários filmes que valem a pena ser assistidos. 

Sobre o(a) autor(a)

Avatar

Um capricorniano perfeccionista, cheio de manias e viciado em séries, filmes, livros, quadrinhos e desenhos animados. Joga búzios, tira cartas, roda o compasso, traz a pessoa amada em três dias e escreve diariamente para a coluna "Extra!" , além de ser Gerente de Marketing e Finanças neste mesmo Bat-Site.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

Your email address will not be published.