“Alguns blocos surgem da vontade de um grupo de pessoas em se divertir juntas, vários blocos surgem para homenagear algo ou levantar alguma bandeira. O Escurinho é uma mistura disso tudo”. E assim surgiu, em Alagoas, um bloco carnavalesco que levanta a bandeira do setor audiovisual, que luta por valorização da cultura e que tem um proposta bastante divertida: a de que seus foliões se fantasiem como personagens do cinema.

Foto: Alice Jardim.

Em seu segundo ano apenas, “O Escurinho”, como carinhosamente é chamado o bloco No Escurinho é Mais Gostoso (veja mais aqui), já virou mania na prévia carnavalesca de Jaraguá (Maceió) e, pelas imagens, é possível ter certeza que tem uma alegria contagiante e diversão garantida. Aos organizadores, meus parabéns em nome de todos d’O Chaplin e uma dica: vamos levar a ideia pro Brasil todo!

O Chaplin – Como surgiu a ideia de formar o bloco? E porque esse nome? Quando o bloco começou? Como funciona o bloco? O bloco é aberto?

 

No Escurinho é Mais Gostoso – Alguns blocos surgem da vontade de um grupo de pessoas em se divertir juntas, vários blocos surgem para homenagear algo ou levantar alguma bandeira. O Escurinho é uma mistura disso tudo. Ele nasceu de uma conversa de amigos que adoram carnaval e que estão envolvidos com o audiovisual (seja como espectadores ou realizadores). Daí pra frente foi pura correria, faltava pouco mais de um mês para o Jaraguá Folia 2012 (evento que ocorre em Maceió uma semana antes do carnaval), e nós precisávamos nos informar sobre como participar, como registrar o bloco na Liga de Blocos, e paralelamente a isso tomar as providências para divulgar o Escurinho, envolver as pessoas com a ideia de sair de suas casas e brincar nas ruas do bairro do Jaraguá fantasiadas. Sim, ver o corredor da folia repleto de personagens saídos de filmes era o que realmente queríamos naquele primeiro momento. As decisões sempre foram retiradas em grupo, geralmente via redes sociais (onde também aconteceu nossa divulgação), o nome “No Escurinho é Mais Gostoso” foi sugestão de um dos membros do grupo do FB (que contava com mais de 500 pessoas) e ganhou por votação. Diversos nomes estavam concorrendo, no momento me lembro de mais dois (“Unidos da Película a 4” e “Dzi Claquetes”), mas o Escurinho ganhou disparado.

Percebemos que precisávamos de uma bandinha de frevo para tocar, e lá veio outra correria. Campanha para arrecadar verba para custear isso. Mesmo com noção de que poderia acabar saindo do bolso de alguns, resolvemos arcar com as consequências de levar adiante. Preservamos nossa ideia inicial de que o bloco seria aberto para todos que quisessem brincar conosco e que ninguém teria que pagar nada pra isso.  Até hoje trabalhamos de forma colaborativa: você pode fotografar o evento? Fotografa! Você escreve textos legais de divulgação, escreve! É comunicativo e gosta de fazer divulgação cara a cara? Maravilha! Pode dar dois reais pra banda? Ótimo! Quer ser patrocinador? Ótimo! Tá sem dinheiro e quer se divertir? Venha! Cada um se encaixa na função que se sente bem, e que pode executar, de acordo com aptidão e disponibilidade de tempo.

Foi assim que conseguimos colocar o bloco na rua pela primeira vez… 10 de fevereiro de 2012. E é assim que pretendemos levá-lo, claro que melhorando uma coisa e outra.

Foto: Alice Jardim
(O Elo)

Qual a ligação do bloco com o cinema?

 

Seus idealizadores estão fortemente envolvidos com o audiovisual (são cinéfilos, cineclubistas, realizadores e por aí segue a lista). Desde o início a ideia era fazer uma homenagem ao Cinema, objetivando invadir as ruas do Jaraguá com os mais variados personagens. Verdade seja dita, sempre vimos nisso uma possibilidade de nos divertir, mas também de incentivar o carnaval de rua da nossa cidade, já que nossa participação nas prévias do Jaraguá Folia faria com que esse evento, que garante que a tradição dos blocos carnavalescos não morra, continuasse a crescer e tomar corpo.

 Em Maceió não há carnaval. Seus moradores se divertem nas prévias, que acontecem graças à insistência de uns poucos, pois o incentivo público é praticamente nulo. A cidade é conhecida como um lugar de descanso, perfeito para aqueles que não curtem carnaval, enquanto isso… os foliões locais ficam a ver navios e os que podem, viajam para outros lugares, já que as ruas da cidade ficam vazias nesse período. Por isso compreendemos que atividades que sigam no contrafluxo da extinção do carnaval de rua são muito bem-vindas.

Há ainda  outra questão que desde o início esteve presente em nossas conversas. A falta de incentivo cultural é gritante em nosso estado. E vimos no Escurinho a possibilidade de criar um espaço de reivindicação e aglutinação de pessoas em favor do audiovisual local. Temos como objetivo divulgar cada vez mais o que tem sido realizado por aqui, e também questionar a conjuntura atual, a falta de investimento e espaço para o Cinema Alagoano.

2013 foi o segundo ano do Escurinho nas prévias carnavalescas de Maceió, e resolvemos ter um homenageado do ano. Após nomes e mais nomes serem sugeridos, veio a ideia: homenagear não só uma pessoa, mas todo o Cinema Alagoano… todos aqueles que dão duro, que trabalham de graça por apostarem numa ideia (atores, produtores, …) ou gastam dinheiro do próprio bolso para realizar seus filmes (diretores). A campanha de divulgação desse ano foi realizada com marchinhas-protestos – que uniram a irreverência das marchinhas tradicionais com alfinetadas ao descaso com que os governantes olham para aqueles que trabalham com arte em Alagoas (que nem mesmo possui uma lei estadual de incentivo à cultura) – e também com a tentativa de popularizar os filmes alagoanos, a partir de vinhetas e links de exibição. Tudo isso via redes sociais.

Foto: Alice Jardim

(Em 2013)

Como foi ir às ruas na sexta? As expectativas da organização foram alcançadas?

 

Sexta passada foi uma resposta de aprovação que as pessoas deram a nossa ideia. No primeiro ano é tudo novidade e as pessoas não esperam muito, elas vão por quererem ver como aquilo vai acontecer. Ainda não existe parâmetro. No segundo ano as pessoas já sabem o que esperar e já têm em suas cabeças tudo o que gostaram no outro ano e também aquilo que gostaria de ver modificado. Ver que as pessoas voltaram para o nosso bloco, com novas fantasias e a mesma a alegria de sempre foi muito bom. Ver que novas pessoas, que não estavam ano passado,  e que esse ano foram prestigiar o Escurinho foi ótimo.  Ouvir a opinião dessas pessoas nos fez compreender que a gente tá no caminho certo, ainda que tenhamos diversas coisinhas para melhorar. É como um folião falou: o Escurinho só tem dois anos e já tomou proporções enormes, com repercussão dentro e fora de Alagoas. A cada ano percebemos o que pode ser feito para melhorar nosso desfile e garantir que o bloco No Escurinho é Mais Gostoso cresça sem perder sua ideia original. Nossa intenção é crescer e garantir que crianças, jovens, adultos e idosos se divirtam juntos e com segurança (segurança essa que deve ser garantida pelos nossos governantes) e que conheçam cada vez mais as produções locais e se juntem na luta por mais incentivo.

Esse ano as prévias carnavalescas de Maceió passaram por um sufoco. Poucos dias antes de serem realizadas, os órgão responsáveis por financiar a estrutura básica do evento anunciaram que não poderiam arcar com os gastos do evento pois não havia orçamento para isso. Foi um misto de desespero e indignação. Entendemos as prévias como algo feito de fato para as pessoas que vivem na cidade, esse descaso é um descaso com todos que moram aqui. Na verdade, é só mais uma forma de descaso, dentre tantas outras que ocorrem. Uma cidade deve ser pensada para satisfazer as necessidades de sua população, desde a garantia à saúde, educação, moradia, transporte e também lazer, arte e cultura.  O Escurinho compreende que o acesso a tudo isso deve ser livre e irrestrito.

No fim das contas, o Jaraguá Folia aconteceu, muito mais por insistência de quem o organiza do que por incentivo público. Assim como os outros blocos, o Escurinho desfilou pelo corredor da folia, com suas cores e fantasias. Mas levantando a bandeira por mais incentivo cultural e respeito à população.

Desde seu surgimento o Escurinho se propôs a dar continuidade às suas atividades mesmo depois de o carnaval acabar. Através de parcerias com cineclubes e instituições comprometidas com a cultura local. Foi assim ano passado e é assim que continuaremos em 2013. O carnaval acaba na quarta-feira de cinzas, mas o nosso bloco segue em frente!

(Agradecimento especial à minha querida amiga Fernanda Brandão, à Ágatha Salcedo pelas respostas, e à Alice Jardim pelas fotos.)

One Response

  1. Avatar
    Fernanda Brandao

    Estou muito feliz com o resultado do Escurinho esse ano. O bairro de Jaraguá estava incrível! Lindas fantasias e sorrisos. Ano que vem tem mais…

    Aproveito pra deixar aqui o meu convite: venham aproveitar as prévias carnavalescas do ano que vem aqui em Maceió e pular no nosso bloco, afinal.. NO ESCURINHO É MAIS GOSTOSO (Curtam nossa página e acompanhem: http://www.facebook.com/noescurinho?ref=ts&fref=ts)

    ——

    Fahad, querido… adorei a postagem. Estou esperando você aqui também. 😀 Beijão

    Fernanda Brandão

    Responder

Deixe um comentário

Your email address will not be published.